SANTA CRUZ – SANANTONE – SANJON – SAN PEDRE NA TEMPE DE COLÁ SANJON

Tude one nês quadra de festa de mês de Junhe, moda custume e tradiçon de terra ta mandá, pove dês dôs Ilha irmã, SanAnton ma Soncente, ta juntá pa formá um sô bloc, cosa más natural dês munde, pamode ês que ta fecá perte de cumpanher e também pamode oitenta por cente, senon más, de gente de Soncente ê de SanAnton.


Assim, cma Cab Verd ê Criston, pove dês dôs Ilha, tude one ta juntá pas podê honrá Sonte de sês freguesia, c’sês festa que ta cumeçá dês de 3 (três) de Moie c’Santa-Cruz, passá pa 13 (treze) e 24 (vinte e quate) de Junhe, c’SanAntone ma Sanjon, e cabá dia 29 (vinte e nove) c’festa de Senhor SanPedre.

 

Se nô espiá bem pum calendar, gente t’oiá cma tude dia d’one na munde criston tem sê Sonte, ma ês quadra li pa nôs ê mute especial, quê pove na sê manera místico-religiose e c’grande respeite pa tradiçon, ta festejal cum força quaz sobrenatural, cumpanhode d’aquel “repicá tambor” que, sem nô querê ô nem podê explicá, nô ta sintil, nô vibral e vivel c’nôs sangue. Quê, na funde de nôs alma, nôs tude ê TAMBOR.


Moda tude mnine que vivê naquel tempe e ‘m t’otchá, mesme inda depôs, quel manera de festejá, Colá SanJon, fecone gravode na mimória ma na coraçon pa tude tempe.


Ê de lembrá quel presença de Nhô Morc Patada Muidor c’sês broce chei de muscle, um espece d’arauto que na época tava anunciá abertura dês festa d’Sonte c’sê “TAMBOR” passode na pescoce, ta bem ta dexí, ta repical e ta guental el sô, dês d’Olte de Solarine, Fonte Felipe, Fonte Dator, passá pa nôs Pracinha de Liceu tê tchegá na morada, pal bem anunciá pove, c’orda de Sr. Admistrador Rendal, cma quel tempe de festa tinha tchegode.


Na Soncente, pa quem que ca sabia, ês festa de Sonte tava cumeçá pa Santa-Cruz na Salamansa, SanAntone ma SanJon na Rebera de Julion e SanPedre na San Pedre.


Era um ligria oiá tude quês camiunitin chei de côr, pintode de fresc, c’sês bancada de carregá gente, fixode, linhode e mute bem ranjode na caixa na parte trás, parode lá naquel lorgue de rua de Côque ô lá perte de rua de Corte de Tenis de Clube Castilho, c’sês folcloric fiscal de cobrá bilhete mute bem cunchide de pove na praça, moda cumpade Libertal ma Fudjinha que Deus tem, c’sês porta-voz na boca e bolsa na mon ta gritá quel:


- Nô bai nhas gente, nô bai... Quê hoje na Rebera de Julion ê quê quel dia... Dôs e quinhente (2$50) ir e bai, dzide c’aquel humor prop de terra pa fazê pove arri e comprá sês bilhete más rapte quês pudesse.


Basta era sô esperá camiunitim intchí pa chofer podia rancá. Enton, era um exploson de ligria popular em que cada um tava manifestal de sê manera, na mei daquel muvimente non stop de bai e bem de corre, sem pará, de plumanhã tê de note, pa quel lorgue de Colá Sanjon na Rebera de Julion.


E, Deus pa camin ta gordá sês fidje criston, quê estrada naquel tempe n’era grandes cosa e pra lá ca ta tinha nem luz, senon sende quês luz de camiuniete na sês traboie de bai e bem, na estrada. Inda más, tinha quel curva perigose inclinode de quaz 45 grau, log n’entrada d’área de lorgue de Colá San Jon, ondê que corre tava sebil e dexil sempre ingatode na primera c’tude quel pove ta benzê ma ta gritá, sem nunca podê custumá quel.


Quel muvimente na época dês festa de Sonte, era dvera, dvera, na tude sê realidade um cosa mute importante que nô ca ta nem podê explicá, quê el era moda um espece dum peregrinaçon, ondê que cada um ta tinha sês prop razon que sô ês ma Deus ê que podia explicá, de bai tê lá.


Enton era tude quês gente ta desimbarcá naquel lorgue de Colá SanJon de Rebera de Julion, sem pará dia e note durante tude quel quadra de festa de Senhor SanAntone ma Senhor SanJon, o que era log um afronta, sobretude da tardinha já luz c’fusc, hora que festa tava estode na top de sê sabura, c’denote quaz ta fetchá e tude quel pove vassalode ta saltá LUMENARA.


Ma moda de custume, antes de festa rancá, sempre ta tinha e ‘m ta esperá cma tê hoje inda tel, quel missa de plumanhã na Igreja de SanJon Baptista de Rebera de Julion, chei de pove que ca ta tinha nem lugar dentre d’Igreja pa tude gente. Enton, ês era ubrigode de fecá na rua, quaz sempre na mei daquel vente de matá, prop pa salgá criston oie. Enton, pove zarode c’aquel vente tude one pa Sr.SanJon, butzal c’nome de festa de Senhor SanJon revulteode.


Depôs de missa, era quel rancá a pê pa lorgue de SanJon, bai dá corpe quel prazer de Colá, pra lá já c’tude quês Barraca chei de gente na sês reservode, tude infeitode, ta vendê quês rosar de Senhor SanJon fete de midje iliode, mancarra, brinhola, etc., e c’tude espece de cmida já pronte, moda midje ingron, tchurice de sangue, botchada, tchoresque, pa quem sintiba fome, regode daquês bom grogue (pure cana) de SanAnton, pontche, bandoie e más otes cosa sabe de cmê ma bibê.


E, festa lá fora ta roncá, cumpanhode pa quel ritme de repicá tambor, siguide daquês navizim pintode de azul ô prête, infeitode de sês vela tude branquin, e sês Capton Farel, Djê ma Capote de Monte Sussegue dentre de ritme, pite na boca, vela na vente ta boliná, sempre ta vançá c’tude quel pove pa traz seguerode ta colá... Corpe além ta bai, ta bai, ta colá, colá… Ô sabe!!!


Colá… colá… colá SanJon, colá na rebera de pic… colá na tchã de pentei... E quel vluntarona d’Antonha de Bill (carregadera de cais) de xaile marrode na cadera que sês grite ta completá quel refran de colá, nês pic d’Mari d’Aninha… Colá, colá... ô sabe... Colá, colá pu’riba quê por boxe n’nê nada c’bô.


Coladera de fama ca tava faltá naquel tchon de Soncente pa colá SanJon. Ma chefona na praça, cunchide pa tude gente era Antonha de Bill, desbocada, vluntarona lá fora, ma que sabia e tive d’insená tcheu malta jovem colá.


Basta, quonde el tava rancá na sê colá, tude gente tava abri ala pa dexal passá, enton, ela tava bai, c’sês cadera bnite ta rabolá tê tchegá na bô, mandobe fetchá perna pal ca quebrobe ove (quê home devê colá ê c’perna fetchode), ela tava dobe quel coladura, moda ta exprimentobe força e tava bai ta gritá, tude ta vivê quel festa de Senhor SanJon revulteode num fúria sem igual.


Também tinha otes amdjer, cumpanher de colá de SanJon na linha d’Antonha de Bill, moda Caela, Mari Caela, Mari Binisse, Julia Boca Motcha, Mana quel que tava vendê cana lá na rua de Suburbana, Funny Eyes, Mari Curvim e más e más otes coladera prop bom naquel arte de Colá, Colá... Ô sabe.


Tude one, pa cabá de completá quel show na Rebera de Julion, pove tinha custume de fazê um grande roda, pa dexá quel bnite cavole de Nhô Manilim Feijô dançá colá Sanjon na ritme e som daquês tambor. Era na dvera um bnite espectacle, sô d’oiá quel bitche espendê sês dôs pê de diante, c’sê cavaler muntode derriba, dôs pê de trás bem fincode na tchon sempre ta dançá na ritme daquel repicá de tambor, pa admiraçon de tude gente.


Na terra tinha também, quês valente na arte de repicá tambor c’tcheu variante bem repicode, cosa série e quaz sem rival na Munde, moda Nizim de Cambra, Ti Pedre Gigante, Tota, Morc Patada Muidor, Sbeca, Lela Cassarola, etc., etc.



Não sem esquecê tude quês Bzana, senhores tocador de tambor que tava custumá tchegá inda naquel tarde na Faluche binde de Porte-Novo SanAnton, pa quel grande desafiu de tocá tambor betada fora, pa fetchasse más quel um festa de Senhor SanJon Revulteode na Rbera de Julion, junte ma sê pove irmon de Soncente.


Ma um cosa ê certe nhas gente, ondê que festa de Senhor SanJon Baptista ê festejode drete na tude sê esplendor,ê na Porte-Novo de SanAnton de Cab Verd. Pra já, lá ê quê freguesia de Senhor SanJon Baptista.


Assim, tude one na época, quel pove ta fazê quel monzada de camin, pa bá bescá Sr. SanJon Baptista lá na Rebera das Patas e trazel n’andor c’força de sês broce, sempre ta tocá tambor, ta colá SanJon, ta pará pa camin pa descansá, cmê, bibê, tê tchegá na Porte-Novo. E, quem bá bescal ta bá leval moda tradiçon ta mandá. Assim, quonde festa ta cabá, ês ta torná fazê quel camin de volta, pa torná bá levá Sr. SanJon Baptista lá na sê posente na Rebera das Patas.


Tive um tempe quês tinha decidide de fecá ta bá bescá Sonte de Sr. Sanjon de corre lá na sê lugar na Rebera das Patas. Ma cma tive quel grande desastre de corre pa festa, que fecá na história de Porte-Novo, pamode morrê um monzada de gente, tcheu fecá feride e foi mandode pa Spital de Soncente d’urgença. Enton, pove pa superstiçon pamode quel azar de vida, cosa que ninguém tê hoje ca sube explicá, resolvê fecá ta bá bescal e bá leval a pê, pas fecá ta festejal devidamente, moda sempre ês tava custumá fazê dantes, pa camin.


Um vez Sr.SanJon instalode, festa tava rancá rije, forte e valente depôs daquel missa de freguesia de Sr. SanJon Baptista, siguide de corrida de cavole e tcheu otes divertimente, tude isse coroode c’desafiu de tocá tambor na tcheu stile e ritme diferente, moda num grite de quem puder a más.


Gente seguerode ta colá, c’tude quel força que nô tem na sangue, ma que ninguém ca sabê, nem ta podê explicá, pamode el ê moda ritual dum espirte ta bescá sê LIBERDADE na tendença recalcode de que el foi vitma e privode dês de sês origem de dondê quel bem... África!!! Pa completá festa, quês barraca sempre chei de gente ta cmê ma bibê, tcheu binde de Soncente, pa Porte-Novo bem festejá e bem bescá quel bençon, direte na Sr. SanJon Baptista.


Na nôs lembrança de menine, curiose moda tude menine que nôs era, nô tava gostá de bá fecá lá na ponta de Padrão ( arrazode pa obra de Cais Acostável ), deboxe de Fortim d’El Rei, tchemode também Puntinha.


Sô pa nô bai oiá tude quês Faluche (Liberal, Carvalho, Atalanta, S. Vicente) carregode de gente, c’sês vela bronc largode na vente ás vez coloride daquel côr brumedje de pôr de Sol de Baía de Monte Cara, além ta bai, ta bai e bem, ta travessá quel Canal de Soncente -SanAnton-Soncente, deboxe de vente, na mei daquel temporal de Sr. SanJon, pa bai e bem festejá quel “Grande Festa” que ta contecê um sô vez pa one.


Tcheu de nôs gente tava cambá Porte-Novo p’ês festa, inda ês tava torná voltá, godzide sô pas podia inda trazê um padoce “d’el”, pa bem interral e dal fim na Rebera de Julion lá na Soncente, seguerode inda tude naquel sabura, chei de morabeza, paz, harmonia e calor de terra.


Tude ês festa, seja pa Santa Cruz, SanAntone, SanJon ô San Pedre, tive e tem sempre quel mesme manera de procedê, na sê jete e na sê forma, prop de nôs folclore na más profunde de nôs Cultura.


Quel missa plumanhã na Igreja e depôs, pove naquel bada p’área de festa c’sês Barraca, ondê que ta otchode tude espece de cmida ma bibida, sobretude trazide de SanAnton, mode ser bom e ter tcheu variadade. Sô cosa d’apetite, num verdader troca cultural, pa enriquecê e reforçá cada vez más nôs Cultura.


Pove juntode naquel lorgue de Colá SanJon, formode um sô corpe, na mei daquel vente, trançode c’aquel calor de Sol quente que ninguém ta dá fê, c’gota de suor ta esgritchis pa tude banda de corpe aboxe, ma sempre seguerode na sê ritme de “Festa de Sonte” cum seriedade, trançode c’aquel ritme de tambor naquel colá, colá...Ô sabe, num verdader misticisme e mistagogia, ta procurá preenchê quel parte baziu más profunde e tê certe ponte pirdide, de nôs Cultura na tradiçon.


Moda nh’amigue-irmon DEMBA ( Dr.Felisberto Vieira Lopes – K. D’Ambará) ta dzê, e bem dzide, na sê poesia:


- Ê ussu’l tera, sabi nôs guentis… no nassê no atchal, no ta morê no ta dexal…


Força de tradiçon é tão grande na alma de pove cabe-verdiane, pove patriota, amigue de sê terra que, ondê quel tiver ta vivê, sempre el tem quel poder mágic de trazê ô levá ma el na sê coraçon, um padoce de sê Cultura na tradiçon.


Assim p’exemple, na Rotterdam-Holanda, ondê que pove ta vivê bastante perte de cumpanher, más do que n’alguns cidade de parte de Munde e d’Europa, mode cidade quê piqnim, ês ta festejá sês Sonte de quadra de Junhe, tude one, autorizode pa Governo Holandês, c’tcheu força na rua, muntada “Barraca” moda na Cab-Verd,lá na Pracinha de Quebrode (nome que foi poste e butzode na dvera,pa Câmara Municipal de Rotterdam),lá ondê que antigamente, era um rua tchemode “Hemaratsplein”, isto é, recunhicide pa instituiçon holandês.


Basta ê um verdader beleza d’oiá quel pove d’nossa entusiamode na Rotterdam-Holanda, na força de preparaçon de sês “Festa de Sr. SanJon”, quonde quadra ta tchegá, c’Ti Manel Belchior (hoje reformode e retirode num casa de gente bedje... d’favor ca nô esquecê del OK?!) ta dirigi operaçon, chei de experiença e conseil pa dá e vendê.


Naquel dia ês ta junta tude quês Sonte num sô Festa. Cosa ê sempre bem organizode pa sês fundador, c’tocador de tambor ma guentador de quês navizim, famose moda Ti Manel Belchior, home já de idade ma que tê inda ta ba dá sês consei, ondê quel ê mute escutode p’aquel malta jovem. E siguide de tude quês incansavel cumpanher, moda Djusinha de Bernalda (Djosa Funha), Dindin, Jon Lorenço, más tcheu rapaz de SanNinclau quês ca dame sês nome, ma que ta temá sempre um grande participaçon nês festa que na funde ê de nôs tude.


Na França, pove tem cunsiguide sempre fazê festa de Colá SanJon, sobretude lá pa lode de Fameco, Thionville, ondê que tem tcheu cabe-verdiane. Na Paris, one passode, pove fazeba um grande festa pa Sr. Sanjon que fui mute bom e tive um bom participaçon, na Compe de Jogue de Futebol na Porte de Montreuil. Esse one li, cosa ti ta bem ser forte também, moda boca de pove já dzê, nô ti ta esperá.


Ê dês manera lissim, que nôs pove ta ba ta passá quel mensaja bem forte de nôs Tradiçon e Cultura, na tude sê extenson e simplicidade, pa otes geraçon de nôs pove espaiode p’ês Munde fora, pa ranjá manera de completá tude ês traboie, na cuntinuidade e linha direta de nôs Tocador de Tambor, Cesária Évora, Lura, Sara Tavares e tude nôs Artista, Poeta, Escritor, Músec, Compositor e tude quês otes que tita bem pa trás e cuntinua ta fazê conchê nôs Répulica Cab-Verd na Munde inter.


Quê tempe ta mudá, gente ma cosa de Munde ta evoluí e geraçon ta sucedê na cuntinuidade, ta bai ta passá na tempe ma na espace sempre ta sucedê GERAÇON.

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Querido Zizim, Abri o computador e com muita alegria logo cedinho encontrei a tua magnifica"Storia de Colá SanJon". Certo que graças a ti lá vamos mantendo a chama viva do nosso folclore Mindelense-São Vicentino.Mesmo cá na diáspora em cada uma das tuas crónicas somos centenas que encontramos as nossas referências daquele Soncente d'outrora em que havia pobreza mas tudo era morabeza .Lindissimo esse quadro! Nossa que ele veio mesmo a propósito bem ilustrar a tua storia. Bô esculhi dritim! Soube pela tua saúde, mas desejo que estejas indo bem. Estou sempre com fé,e na torcida por ti. Como sempre não pude deixar de ter saudades daquele tempo de "Colá SanJon", pois os tais camiunitins" passavam justamnete em frente á minha porta a caminho de Rebera de Julion. Ó tonte sodadae moce!!! Tcheu bijim, e um otimo fim de semana. Ju

Judith Wahnon            juwahnon@aol.com


Comentário:

Olá tio Zizim, Como está a sua saude?? Espero que bem! Adorei imenso esta estória pois trouxe-me aos meus conhecimentos muita coisa que desconhecia assim como a muitos da minha geração. Os tempos eram outros e a gente se sentia segura mesmo pela noite a pé indo e vindo de Rebera de Julion "pa bai Colá SanJon". Agora é tudo diferente e a insegurança continua alastrando com grande tristeza a nossa Ilha de Monte Cara com agressões e cassybodys etc. Uma verdadeira chatisse que impede o desenvolvimento económico desta Ilha para todo aquele que tem querido vir cá investir e criar trabalho para nossa gente. E as leis não ajudam. Porque se apanhar "LADRÂO" não se deve molestá-lo porque senão ele ainda é que tem razão e vai queixar-se contra a pessoa que o prendeu. Do nunca visto nesse mundo por pessoas honestas que se prezam. Cá vou ler de novo a sua estoria que lá vão fazendo a história da Ilha de S.Vicente de Cabo Verde.Votos de melhoras e obrigado por essse excelente "welcome to Liberal" com essa rica crónica. Com admiração e carinho subscrevo-me com mil beijinhos. Nanda

Fernanda Ramos Fortes           fernandaramos49@hotmail.com


Comentário:

Oi Djô, Me alegro de te ver de volta cá neste nosso Liberal On Line o Jornal cabo-verdiano mais lido cá em Cabo Verde e na nossa diáspora. Como sempre "um sturinha sabim" que nos faz recordar e reviver com prazer aqueles bons tempos que já não voltam mais. O quadro do David L.Lima está sublime e bem adaptado a estória. Tens sido nestes últimos tempos o porta-voz dos vários aspectos da nossa Cultura Mindelense-São Vicentina e de certas Ilhas do Norte com quem guardaste contactos de ordem familiar como São Nicolau, Sal e Santo Antão por afinidades de ordem vitais diversas e isso é ótimo! Aliás tenho constado tudo isso pelos teus escritos que venham seguindo, compilando e concordando com a tua escrita na nossa lingua cabo-verdiana lida cá na terra e algures com toda a facilidade de compreensão que quem sabe ler compreende. A semana passada ressentimos imenso a tua ausencia, mas soube da tua saúde. Força e melhoras, todos cá na terra torcemos por ti nha broda. Bom domingo e um fraterno abraço Pedro

Pedro Fortes               pedrofortes@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Uma boa tarde daqui de Sidney Australia e melhores agradecimentos ao Liberal pela publicação matinal da tua estoria. Claro que por cá somos poucos mas revivemos toda a tua crónica com aquela nostalgia ou melhor "Sodade de nôs terra Soncente nesse tempe de Colá San Jon". O teu sublime descritivo tocou nos a todos no mais profundo do nosso coração e o sublime quadro que bem escolheste ligado a "Storia" veio completar ainda mais esse sodade.Todos gostamos e te desejamos melhoras e saúde sempre para nos poderes continuar a trazer mais estorias dessas. Bom domingo e um forte abraço. Terencio

Terencio Lopes            terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim nôs Broda, Ressentimos imenso a tua ausencia na semana passada, mas estamos felizes de te ver "Back in Town" pelo que te desejamos um bom welcome. Esta storia está muito bem revista e perfumada com esta linda foto a realça-la ainda mais. Cá na nossa grande Associação em Orlando onde existe uma excelente cohabitação de gentes de todas as Ilhas, as tuas lindas crónicas continuam fazendo furor no meio dos que não conhecem Soncente e a nossa "new géneration "nascida por cá, ajudando-as assim a melhor conhecerem a nossa terra Soncente de Cabo Verde. Hoje fizemos uma grande "catchupada"e com um bom vinho californiano levantamos os nossos copos e saudamos o nosso magnifico escritor que tem dado mais que provas, Zizim Figueira. Melhoras e bom domingo. Pensamento sempre Positivo.Abraço de todos Yo

Yoalnda Dias               yoldias@aol.com

V O L T A R


Comentário:

Caro Zé, Com sempre gostei e passei a mensagem com as que passei no "print" para o nosso pessoal que não tem internet. Todos apreciaram com aquele entusiasmo habitual não s+o a estória como a foto do quadro muito bem adapatada. Aquel abraço Silvia

Silvia Monteiro Lopes             smonteirolopes@netcabo.pt


Comentário:

Amigo/irmão Zizim, A tua estória está sublime e com o brilhante quadro do amigo David Levy Lima, fica ainda mais elucidadtiva para os que não sabem o que é o magnifico "COLÁ SAN JON" que transcreves lindamente com toda a ligeireza da tua pena de um excelente escritor cabo-verdiano que advieste em toda aquela realidade dos nosso tempos idos com aquela "cavalona" d'Antonha de Bill que bem conheci á cabeça das "coladeras" fora de série de Rebera de Julion de outrora. Já li hoje essa tua estória ja por duas vezes e logo haverá uma terceira vez a hora do alomoço em casa do Luiz Alves com pelo menos 30 ou mais convivas fans das tuas crónicas. Obrigado por este lindo texto que está bem enquadrado na data das festas Juninas. Cá temos també a nossa fogueira para saltarmos na rua no dia de SanJon. Bom domingo e forte abraço.Toi Pina

Antonio B. de Pina                   toipina@clix.pt


Comentário:

Zizim, Gostei muito de ler a "Storia" dos santos populares, das festas Juninas em Soncente e especial Santo Antão-Porte Novo....Também na Djabraba festejavamos os santos todos com muito tambor e muita alegria.....Acho que ainda se festeja, mas não sei se será com tanta pompa. Obrigada por teres partilhado , Bijin

Marlene Dias                   marlenedias@aol.com


Comentário:

Oh.. Irmao das nossas comunidades ; ( cola sanjon )festa tradicional de nôs terra que ainda resiste às manobras dos intreresses dos partidos-politicos que tencionam " eliminar " tudo o que é valôr cultural do nosso pais , particularmente as tradiçoes das ilhas de barlavento !.. Festa de Santo Antnio , Sao Pedro e " Sanjon " teimosamente continuam a desafiar os seus ( inimigos ) para testemunhar a vida cultural doutros tempos , do nosso pais . Aquele abraço ,desejando-te a tua saùde que neste momento penso que andas um pouco preocupado " ; Um irmao das nossas comunidades ; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Meu querido Zizim, não imaginas o prazer que dás aos teus leitores com estas "Storias Mindlenses", e a ajuda que me tens dado para a compreensão desta variante do (nosso) crioulo. Desejo que continues a recuperar a saúde e que te mantenhas muitos e bons anos no nosso convívio. Um Grande Abraço!

António Alte Pinho                 privado.apinho@gmail.com


Comentário:

Continuação de uma rápida recuperação e muitos parabéns por esta crónica . Um grande abraço da amiga ,Gaby

Gabriela Amado Silva                   gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Caro Zizim, Raro tem sido o domingo desde que descobri este manancial de tuas magníficas estórias que não tenho manifestado a minha alegria. Mas hoje perante esta bem especial estória, tão bem elaborada veio á minha mente com saudades profundas, toda aquela época em que minha mãe Rosa(amdjer de negoce) natural de Porto-Novo, Freguesia de São João Babptista, vivendo em S.Vicente, me levava todos os anos juntamente com os meus outros sete irmãos assistir as maravilhosas festas juninas passando por todos os sítios de Santo Antão que aí indicas com firmeza para depois se centralizar para tudo finalizar no meu Porto Novo de sodade. Uma verdadeira maravilha tudo isto e não pude conter lágrimas daquel SODADE. Me lembro aos 14 anos da minha primeira fusca de bandoi que apanhei junto ao meu irmão mais velho em que ele apanhou uma chuva de carolos da parte da nossa bem amada mãe por ser mais velho e responsável. Obrigado irmão por todas estas magníficas lembranças vindas de tão longe para nos encher o coração aos domingos de coisas que são bem nossas! ESS LI,NINGUÈM TA PODÊ TEMONE EL QUE CERTEZA NAQUEL COLÁ COLÁ O SABE... COLÁ NA REBERA DE P... Forte abraço de Sidney-Austrália Terencio

Terencio Lopes     
              terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Boa lembrança Nh'Itmuzim de criação pa ess dia de Sant'Antone. Lá na rua do mesmo nome me lembro que a Nininha de Adão irmã de Papa boxer e mãe da Betty costumava enfeitar parte da rua e seu botequim onde ela vendia bastanta bandói antes de ir para Ribeira de Julião á tarde Colá San Jon. You made my day and God bless you. Lili

Larry de Pina                    LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Oh, nha broda, bô hoje em dia ta spancá na escrita de nôs criol moda quis home tava spancá na sis tambor de festa de Sanjom. Godzide, moda Nizim de Cambra, Ti Pedre Gigante, Tota, Morc Patada Muidor, Sbeca, Lela Cassarola e otes tava escrevê quel ritme de muzca popular de Sanjon naquis pele de cabra curtid. De facto, Zizim, há uns anos atrás, quando começaste a ensair a escrita do nosso crioulo, devo confessar-te que muitas vezes tinha de ler algumas passagens mais de uma vez para poder apreender o sentido do que escrevias. Mas hoje não. Hoje, leio a tua escrita com a mesma fluência e rapidez com que leio o português. Isto quer dizer, como aliás mais de uma vez já afirmei, que estás no caminho certo e o único que contribui para a dignificação da nossa língua materna e para a sua afirmação na literatura nacional. Para conseguir esse desiderato, temos, no entanto, de prosseguir, tu e outros detentores do mesmo talento, dando tempo ao tempo, sem embarcar em precipitações, como aquelas de má memória que, recentemente, provocaram fracturas num tecido onde só é lícito contemplarmos a harmonia entre o fundo azul do nosso mar e o desenho moreno das nossas ilhas. Entre o povo destas pode haver diferenças no perfil do ser e do estar, mas somos o mesmo povo ilhéu, que dispensa todo o artificialismo político que explore divisionismos insanos e maldosos. Este é o meu sentir e creio que da maioria do nosso povo. Mas esta tua crónica, que se associa a outras que já escreveste sobre o tema sanjoanino, é também um inestimável contributo para o estudo da etnografia cabo-verdiana e para uma análise holística ou dialéctica da sua cultura, pelo que os estudiosos da actualidade e os do futuro têm já uma grande dívida para com o conterrâneo José Figueira Júnior “Zizim”. A descrição que fazes nesta crónica vai ao fundo da terra e da alma do povo, de tal maneira que, embora eu já não participe numa festa de S. João há 48 anos, senti-me imerso na poeira da Ribeira do Julião, ensurdecido pelo ribombar contínuo dos tambores, seduzido pelo aroma do midje in gron e outras iguarias. Por momentos, nha broda, “fechei mesmo as pernas” porque vi Antonha de Bill a vir ao meu encontro “pa spancá na mim”. Ah, que saudades da antiga inocência e espontaneidade da nossa gente!

Adriano Lima
amlima43@gmail.com

V O L T A R


Comentário:

Realmente a simbiose está feita com excelência nesta rica estória cheia de informações históricas e datações de coisas que desconhecia sendo eu própria nascida no Paúl Ilha de Santo Antão.A minha mãe ficou cheia de saudades e com aquela vontade de dar um salto a terra nesta época do ano para ir ao menso ver festejar e Colá San Jon. Obrigado por toda esta matéria informativa de identificação e um forte abraço meu e da minha mãe. Suelly

Suelly Fonseca                  suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Zizim, Mês de Junho, de grandes tradições para todos nós, a tua crónica dominical, desta semana, vem mesmo a propósito. Para além de tudo, respigo dela algumas palavras de ordem para o bom desempenho no "Cola San Jon". "...cola na tchã de pentei..." - "...cola nesse pique de Mari d'Aninha..." - "...por boxe n'é nada que bô..." - "...fetcha perna pal ca quebrobe ove...", entre outras, fizeram-me rir até fazer chichi pelas pernas abaixo. Tinha prometido a mim mesmo nunca mais ler as tuas estórias, porque elas têm a habilidade de me cravar a alma de saudade, mas eu não tenho vergonha e estou sempre lá caído!!! Mais uma vez parabéns. Do sempre, Elias

Elias Silva                        elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Deixa falar quem quizer mas a nossa terra tem estória para contar que serve para fazer história.Talvez no dia em que deixar de haver casmurrice da parte de certos egoístas poderão tirar as traves dos olhos e compreender toda esta riqueza tanto no conteúdo como na escrita que há muito vens apresentando. Força e coragem sempre irmão.Estamos juntos. Abraço Vicente

VICENTE                    vicente@cvetelcom.cv


Comentário:

Zizim parabéns! Uma crónica ou uma estória bem estruturada ao nível das anteriores com novas motivações sobre o presente. É assim, a história viva do povo Caboverdeano. Obrigado! Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso            hpcardoso@hotmail.com


Comentário:

Hoje não digo, porque só nos deram o parque para sábado dia 26 de junho cá em Orlando-USA. Mas já está tudo combinado "pa nô ba Colá Sr.San Jon revulteode" com tambores navios e tudo como em nossa terra.Estamos preparando os "rosare" e algumas "brinholas" só não dispomos de "bandói" mas temos grogue. Depois mando-te dizer. Em todo caso foi mesmo bom teres escrito sobre as nossas festas para que os nossos jovens fiquem sabendo.Pois logo já vão aproveitar de aprender mais alguma coisa sobre as nossas Ilhas e as nossas gentes graças a ti e tuas estórias sempre instrutuivas. Beijos Yo

Yolanda Dias                     yoldias@aol.fr


Comentário:

Zizim, Há muito que não apareci mas lá vou seguindo sempre com imenso prazer as tuas crónicas já mundialmente conhecidas. Sinceramente digo-te que sempre me espanto com o contar das tradições crioulas, que leio com todo o interesse e atenção. Já por duas vezes nestas duas últimas semanas que me vens agradando com dois destes teus últimos textos, diferente dos outros, sendo este ultimo muito bem adaptado á quadra, é claro.Também fiquei a saber dos festejos nas comunidades caboverdeanas na Europa, que desconhia.Como sempre um bom trabalho pelo que te parabenizo.Grande abraço Noel

Noel Pacheco                noel.pacheco@clix.pt


Comentário:

Oi Zizim de Ti Djô Figuera, Estória ta prop bunzim bem escrite e bem ordenode e tude nós fecá contente.Santa Cruz ma SantAntone é só um abra apetite de festa, pa despôs nô podê ba festejá que força quel Senhor San Jon revulteode lá na Rebera de Julion ma na Porte Nove. Ma mi ess one 'm tita bai festejal é lá na Porte Nove-SantAnton se Deus quizer, quê Zizim bunzim moda bô é, já bô quentame sangue hum.Nhas mantenha Guey

Miguel M.Monteiro                   mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Bravo Zizim Figuera, Boa estória bem instrutiva.Pois fiquei a saber de muita coisa.Tens me siderado como sempre mas em especial nestes dois últimos domingos Que a Força seja contigo e um bom Astral

Pedro Brito    
                piducabrito68@hotmail.com


Comentário:

Mon Très Cher Zizim,Que força nesta estória.Olha que o saber não ocupa lugar e a gente não acaba de aprender neste.Nasci cá em França frequentei escola portuguesa mas sou cabo-verdiana até morrer.E com estas estórias reforço-me cada vez mais na minha identidade de cabo-verdeana que por nada troco sobre a Terra. Um beijo e bom domingo Anny

Anniette Dodon               anniette.dodon@free.fr


Comentário:

Carissimo, como sempre excelente e igual a Ti mesmo. FORCA e saude sempre. Aproveito para informar que a RCV no seu programa desta manha fez uma divulgacao muito digna do artigo, portanto a Radio Nacional também está de parabens pela excente divulgacao.

É desse manera lissim que nôs pove ta ba ta passá quel mensaja forte de nôs Tradiçon e Cultura, na tude sê extenson e simplicidade, pa otes pove espaiode pa esse munde fora e ranjá manera pa completá tude quel traboie, na cuntinuidade e linha de Cesária Évora, Lura, Sara Tavares e tude nôs Artista, Poetas, Scritores, Músecos, Compositores e tude quês otes que tita bem pa trás e cuntinua ta fazê conchê nôs Cab-Verd. Quê tempe ta mudá, gente ta evoluí e geraçon ta cuntinuá ta bá ta passá na tempe e na espace e ta sucedê GERAÇON…

Lídio de Silva                   desilva.lidio@gmail.com

V O L T A R