DE CARTILHA TÊ ESCOLA DE REI – VIDA E EDUCAÇON DE NÔS MNINE D’ESCOLA (ONES 1945/1950)

Ês Storia, na tude sê dimenson e extenson é um grande homenaja qu’um t’otchá d’juste prestá a tude aquês professor que desburrá nôs, dês de tempe de Cartilha, Fantilona, Fantilim, Tercera ma Quarta-Classe, sem contá c’aquel Admisson que na época n’era nem más nem menos qu’um quarta-classe repetide e reforçode, pa mnine podia entrá bem preparode na Liceu.

Nome de tude ês gente qu’insená e ijdá nôs dá quês primer posse na vida de prendê alê, pa nô podia avançá e abri oie pa Munde, tita bem parcê c’tude honra durante desenrolá de más ês storia de vida de nôs terra. Sobretude, sô pa nô ca esuqecê importança c’tude ês gente tive na formaçon de nôs escola de vida. Ês foi quel Pedra Mestra que guentá tude um parede num época em que insená n’era cosa fácil.

Quonde nôs era menine, qu’inda nô ca tava intendê drete nôs nome e que nôs preocupaçon maior era sô cmê e brincá, tude cosa na Munde tava parcê’n bnitim, sabim de munde, naquel nôs inconsciença de vida prope d’idade. Nôs n’era exigente, nô tava contentá sempre c’aquel poc que nôs pai ma nôs mãe tava done.

Depôs, quonde idade tava bem t’entro’n na corpe, na tude casa, mãe ta tinha log quel preocupaçon de cumeçá d’insená o mandá insená sês mnine prendê alê, mesme antes de cumeçá de bai pa escola. Chatice ê que tude gente de casa tava tmá quel cosa mute a série e tava tmo’n conta de lâmpeda no dure, desde irmon más bedje, prima, primo e mãe, tê tchegá na pai, ondê que cosa tava contecê sô n’últme case, quê pai, pamode traboie, ca ta tinha tempe.

Nês passaja de nôs vida, cosa tava vro’n log diferente quê nô tava dexá de tem quel disponiblidade de brincadera. Sô tava ba brincode depôs de prendê liçon. Quonde já nô tava estode más desburrode, ês tava mando’n pa escola c’nôs Cartilha (primer livre pa prendê letra, ma monossílabe tê trissílabe), nôs pidrinha de conta, um latinha baziu de cigorre capstan ondê que nô tava pô nôs láps, nôs pedra d’escrevê na pedra de conta, um canitinha de ponta pa moiá na tinter e um cadirnin de linha estrete pa prendê fazê letra drete.

Tude mnine na sês primer posse na escola tava gostá de dá pa esperte. Enton, tava cumeçode pa Cartilha pa prendê quel abcedar greco-romane de:

abcdefghijklmnopqrstuvxywz.

Ês tava mando’n abri nôs cartilha e nôs imbalode nô tava rancá t’alê pa du que nô tinha prindide d’uvide cantadin tude lise num: - abcdefghijklmnopqrstuvwxyz, corride. Tude cool, tude nice, ma na realidade no ca sabia lê nem flaça.

Enton, tinha quês escola ma quês professor que fecá gravode na história de terra, na mimória ma na coraçon de nôs tude, pa tude tempe, pamode tonte geraçon desburrode que passá pa sês mon e que nunca nô podê esquecê, quê nôs pai passá pra lá também, de manera c’aquel seriedade cuntinuá ta sigui de geraçon pa geraçon, de pai pa fidje, na respeite pa tude quês nôs antigue professor ma professora.

Pa lembrança, tinha escola de Dona Cidália, na rua de Serra, ondê quel tava recebebe c’bô banquin de madera marcode bô nome, que tava fecá lá na escola pra sempre. Quê assim, quonde bô tava mudá de classe, quel banquim tava servi pa otes mnine que tava bem depôs e que ca tava podê trazê um bonc.

Na escola, naquês primer dia, era um barulhada de matá. Cuitada de Dona Cidália, já bidjinha, mei surda, ca tava nem dá fê daquel gritaiada de más de trinta mnine, tude juntim em core t’alê alfabete siguide sem nium convicçon (abcdefghijk...), gritode durante tude quel sonte dia tê hora d’interval ô de bai pa casa.

Moda quel escola lá, tinha uns data na tchon de Soncente naquel tempe: - Escola de Nha Laloia “Pite e Figue” na rua de Murguine, ondê qu’ela pa Natal tava dá tude menine de sê escola um pitim e três figue que tava fazê ligria na coraçon de tude quês inocente.

Também tinha quês Escola ondê que cosa era ote, moda escola de Sr. Orlande, Ti Tiofe, irmon de Ti Tchutche de Noba, Sr.Grigol, Sr. Teje, Dona Maria Amélia e más e más otes que ca tita be’m grinhassim na mimória.

Ês Escola fui nôs primer contacte c’vida pa nô prendê alê, concentrá e sobretude pa gente prendeba estode quete, pa flecidade de nôs mãe, pês podia incontrá um sussegue d’espirte, durante nôs hora de escola, sobretude naquês casa ondê que ta tinha tcheu menine.

Pa nôs também, na principe tude era prope sabim, quê no tava lê tude letra curride sem gaguejá que nô ta tinha tude decorode na mimória, pa força d’uvi quês ote mnine reptil. No tava lê rapte, só pa nô podia sei pa interval, pa ba comprá quês pirinha das Ilha num cartuche de papel (dez pa toston) de nha Candinha, mãe de Pinúria, betode quês espirte (essência de fruta) quel tava comprá lá na Drogaria de Djandjan.

Ma cosa tava vrá prope dure despôs d’interval, quonde professora tava pô nôs na sê joei, c’aquel Cartilhinha na mon, tude bajufin, cum papilin frode um braquin pa no dzeba letra por letra, em vez de lê curride, moda no tava fazê pa glantaria.

Ela tava finto’n tude bnitim. Sê táteca era perguntá nôs se no sabia lê. Nôs, pa glantaria, no tava dzel log cma sim! Lá ela tava dzebe: - enton alê, dexôme oiá?!

Enton, nô tava rancá ta lê abcedare moda um corre sem travon: - abcdefghijkl... riscá dexá bai. Professora tava dze’n: - ah, bô esquecê “w” (dabeliú, moda ês tava inseno’n lel na escola). Ela tava apoiobe c’um “mute bem, nha menine”. Enton lá, ela tava frá quel puntinha de papel um braquin, el tava pol derriba dum letra qualquer d’abcedar de nôs Cartilha, el tava dze’n: - cma já bo sabê alê, enton dze’m que letra ê esse?

Dá nô tava tapá e tude bajofaria tava cabá quel hora mesme. Enton, quel martírie tava cumeçá na nôs vida. Ela tava torná passá quel papilin c’aquel braquim siguide, um trás d’ote… abcd…etc. Cumeçá, torná dá, torná cumeçá, tê nô fixal e metel na cabeça. Depôs, quonde no tava conchê nôs letra, no tava passá dum pa dôs letra. Dissilábica moda: - d+a = da, d+e = de, etc… Despôs trissilábica moda: c l a = cla, c l e = cle, etc., tê nô prendê fazê palavra. Lá enton, quem já sabia tava bai ta insená quês ma piqnin que tava tchegá de nove na escola.

Nova vida, vida nova, quê nôs más bedje nô tava passá pa Fantilona, um livrona qu’era só dissilbe ma trissilbe e c’alguns palavra pa nô completaba na fim. Depôs era Fantilim, um livrin más piqnim, más groce, chei de palavra ma figura pa nô prendreba soletrá, pa fazê frase de palavra cumposte. Nôs evoluçon d’escola, de passá de Fantilona pa Fantilim, era um període crítique e terrível de nôs vida.

Cma já no sabia lê um gzinha, professora tava dexône desinrascá. Enton, ote problema tava cumeçá quê nôs era tcheu e nô sabia soletrá ma, pa facilitá vida, gente tava soletrá ma lê más pa figura, o que tava dá:

- D+A=DA, D+O=DO= palavra DADO ma pa nôs, figura, tava do’n p’alê= Dupatrão; V+E=VE, A=A, D+O=DO=palavra VEADO nô tava lê Cabra Ganzela; P+I=PI, P+A=PA = palavra PIPA… pa nôs era Barrilo; N+I=NI, N+H+Ô=NHO e palavra era NINHO, pa nôs era Lim d’ove; etc, etc. Enfim, um paródia sem fim que tava cabá sempre c’um tchuva de vara ma carole.

Ês tava mandá tude gente pará e intchá gente de vara pa cabá c’aquel paródia. Tinha sempre uns que tava levá cada pascoçada, quê professora tava dzê cma era p’abuse! O que na realidade era dvera, quê tinha sempre quês mnine más mufine e mi era um dês.

E assim, desburrode, levode uns pascoçadinha ma vara, nô bai ta passá de classe e ta criá e, moda pove ta dzê, quonte ma grande más problema, ma cada cosa na sê tempe. Lá no mudá de ritme, quê no passá pa Escola de Rei, ondê que nô fazê primera, sigunda e tercera classe ma Senhor Carvalho, professor.

Na Escola de Rei, cosa tava vrá diferente pa nôs tude, rapazin c’menininha, quê lá nôs era ubrigode a besti bibe pa ca sujaba ropa, sobretude de tinta de tinter ondê que nô tava moiá nôs caneta de ponta de ferre ô pena de galinha. Mata-burrão tinha d’estode sempre pronte, mode na principe era cada desastre de tinta na ropa na hora de prendê fazê letra. Inda más c’aquel mede de professor qu’era rigrose na caligrafia, que tinha que ser fete c’estile e bnitim, quê senon palmatora tava cantá!

Hora más sabe de tempe d’Escola de Rei era quês interval c’aquês bonhe de mar gatchode na Praia de Bote, área proibide ondê Muchim de Faria, Pliça de Captania, tava fecá ta goito’n pô ropa deboxe de pedra na hora de bá trá quel bon tchluff na mar.

Lá el tava tchegá log ta fazê gente moral e tava lembrá nôs cma bonhe na mar lá naquel praianha era proibide, sobretude que nôs era menine e, se no fogaba, el é qu’era responsável. E Chima tinha razon, tê pa betá tchuque, ma nôs tchluff era más importante, assim consei de Chima tava entrá num uvide e sei na ote. Ma cma el tava conchê tude nôs, recode tava bai pa casa e tava tchegá primer que nôs, mode quel tchluff proibide. Smeme assim, levode de vara, n’ote dia nô tava torná bai quê intintaçon daquel tchluff era más forte que nôs e nô ca tava podê risisti.

Escola era tmode a série e tude gente tava prendê dum manera o d’ote. Também, na vida d’Escola tinha sês sabe ma sês margose, moda tude cosa na vida, e pirraça ca tava faltá também, na mei daquel espirte de mnine de Soncente, escritim e chei d’imaginaçon.

M’ta lembrá dum vez que nôs Jack de Beta, qu’era um bocadim más bedje, ma grande que nôs tude e tava sentá na funde de classe, tchegá convencê nôs tude na Escola cma Senhor Carvallho, professor, que tinha um broce de borracha (prótese), tinha el pirdide na Batalha d’Aljubarrota (que fui na séc.XIV) e que tude nôs, chei d’admiraçon, na nôs cabicinha de menine no tava credital.

Também tinha quês bzana d’escola, moda Jack Filomena ma Antone Dionísio, que tava trabaiá bem na escola e quonde ês tava panhá zere erre na ditade sês glantaria era sei ta mostrá tude gente sês caderne. Inda por cima, quonde ês tava tchegá na casa, na tchã de Licrim, tude gente já sabia cma ês tinha panhode zere erre na ditade, quê ês tava corrê log ba dzê Nhanha, sês avó, que cuitada ca sabia nem lê nem escrevê. Má pa ês era um galantaria e um grande prenda quonde Nhanha, tude contente, tava dzês:

- Boa, nhas nitinhe… Djoa, bsote bem li, dexáme matá bsote uns cratchinhe.

Log malta d’escola butzás d’Antone ma Jack CRATCHINHE!!!

Tude nôs tinha mute respeite e mede de Sr. Carvalho mode quel stora de Jack de Beta, ma depôs, quonde nô tava dá História de Portugal e que já nô era ma grande, ê que nô tava bem tmá fê de tude aquês mintirinha de nôs amigue e herói de momente Jack de Beta. Enton, tê hoje em dia, quonde nô ta lembrá dês storia gente ca ta podê dexá d’arri.

Da tarde era quel Escola de nôs grande Ti Fefa(Sr. Alfrede Brito), grande professor d’instruçon primária, pai de geraçon e más geraçon de mnines de nôs terra, ondê que nôs tude prendê dvera tcheu cosa moda: - leitura, interpretaçon, análse lógica e sintétca, fracçon, regra de três simples, naquel grande preparaçon daquel exame de quarta classe dum vez, que n’era brincadera.

Ma também varinha de mantampa ma palmatória tava trabaiá sem brincadera. Era desafiu de taguada (tabuada), dada na mon entre nôs pa conta de professor. E ninguém ca morrê, nôs tude prendê e fecá c’tcheu base, que sirvi’n pa tude vida tê gora.

Um MUTE UBRIGADA, PA TI FEFA e tude quês otes que sirvi causa de nôs terra de sês manera.

Na fim, pa completá tude ês storia, tinha quês exame, qu’era quel momente de verdade na Escola Camões, Escola Nova e más e más. Exame era Prova Escrita e Prova Oral e despôs na fim tava bem quel parte más dure, qu’era quel leitura de pauta em voz alta de passaja d’exame, fete pa nôs servente e grande amigue de sempre, José Tomaz. El tava somá lá naquel janela d’Escola que tava fecá c’cara pa Pracinha d’Igreja e c’voz bem olte e gritode, pa tude gente uvi, el tava cumeçá:

- Alfredo Justino Mota ………………… Aprovado (grite de ligria de malta)

- Jorge Maria Nascimento……………… Distinto (grite dobrode de força)

- Alberto Maria das Dores …………….. Aprovado (grite)

- João António Almeida …………….. Reprovado (tristeza. siguide dum oh...oh...)

Moda tude one, na fim, era uns t’arri, otes ta tchorá, ma na mei de tude quel areloce tava rancode c’aquel tradicional:

- VIVA QUEL BOLE, VIVA!!! VIVA QUEL VIM, VIVA!!! VIVA SÊ PAI, VIVA!!! VIVA SÊ MÃE, VIVA!!!

- SENHOR CARVALHO,VIVA!!! MNINA CELESTE, VIVA!!! MNINA ILDA, VIVA!!!...

E era assim c’tude menine, ta corrê pa casa de cumpanher num delire sem fim, tava percorreba destança e más destança longe pafronta, sima Rebera Bote, Montessucegue, Maderalzim, Tchã de Licrim, Cruz de Jon D’Ebra tê São Pedre ma Salamansa etc,. E tude Soncente tava vivê quel momente de Viva Quel Bole... Viva Quel Vin... c’um grande orgulhe na força dum tradiçon que quaz hoje em dia tê já nô perdê. O quê um pena!!!

Foi um época bem rique, na força d’instruçon pa gente de nôs Ilha de Monte Cara, ondê quem prendê sube passá mensaja de geraçon pa geraçon. Um época em qu’interesse de prendê ma sabê era tão grande na Soncente que tê tava uvide pescador descutí entre ês quem qu’ era más bom, s’era Nhô Baltas ô Nhô Roque?!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R



MaguyAlfama Fragoso maguyalfama@gmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Zizim, li o teu texto de hoje, com emoção. Revivi esses tempos e que tu tão bem relatas. Eu, estive algum tempo na D. Inácia e depois assentei na menina Isidora. Era um momento solene quando liam os resultados dos exames. E a correria pelas ruas? Tudo junto contribuiu para sermos o que somos. BRAÇA



Gilda B.Leite gilbarbosaleite@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Mais uma excelente crónica muito elucidativa, não só homenageando todos os professores que marcaram uma época certamente em todas as Ilhas de Cabo Verde, onde as gerações não tinham tanta facilidade de manobra como as de hoje a começar pela internet. Mas o método aplicado fazia os seus efeitos embora eu já não seja desta geração.Felicito o amigo e Sr.Zizim por mais este passo dado na reconstituição da história de São Vicente e do país Cabo Verde. Abraços Gilda




Gilson Morais gilson.morais@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Gostei imenso dessa estória.Pois sendo jovem só agora fiquei a conhecer como ensinaram todos os meus ancestrais.O certo que o meu pai com a sua quarta classe ainda muito me ensinou e qye até hoje me tem servido.A homenagem está muito bem acertada e a estória muito bem elaborada num crioulo deveras soft que toda gente compreende.Que venham mais.Abração Gilson




MaguyAlfama Fragoso maguyalfama@gmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Nesta merecida homenagem que prestaste aos nossos primeiros mestres, logo nas primeiras frases lembrei-me da minha saudosa mãe,pois, quando se referia à menina Isidora arrematava «ele é que desemburro-be»Daí o meu grande apreço e admiração pela menina Isidora.BRAÇA, ZIZIM



Yolanda Dias yoldias@aol.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Dear brother Zizim, Um sturinha prop sabim que já nô lê hoje li na Associação e tude gente gostá pamode tude ês lembrança.Boa e rica homenaja.Bijin Yo



Daniel Custódio danycustodio22@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Evocando Winston Churchill com o seu: nunca tantos deveram tanto a tão poucos.O mesmo se aplica aqui em relacção a todos esses merecidamente homenageados professores que tanta gente passou pelas suas mãos.Gostei e te felicito. Daniel



Terencio Lopes terenciolopes@yahoo.com.au
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim de Ti Djô Figuera, Mi sempre contente d'oiobe li na Liberal tude ês dmingue que bôs storia que ta done coraja pa passá tude fim de semana ta lembrá nôs terra ma nôs gente.Mi também um fui de escola de Dona Cidália ondê qu'um prendê lê.Naquel tempe de pirinha das ilha ma rubçode de mancarra.Um viva chei de sodade pa tude ê nôs professor ma professora dum vez de "desburrone". Braça Terencio



Terencio Lopes terenciolopes@yahoo.com.au
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim de Ti Djô Figuera, Mi sempre contente d'oiobe li na Liberal tude ês dmingue que bôs storia que ta done coraja pa passá tude fim de semana ta lembrá nôs terra ma nôs gente.Mi também um fui de escola de Dona Cidália ondê qu'um prendê lê.Naquel tempe de pirinha das ilha ma rubçode de mancarra.Um viva chei de sodade pa tude ê nôs professor ma professora dum vez de "desburrone". Braça Terencio



Artur Vieira tuiavieira@yahoo.com.br
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Bravo! Adorei essa estória em todos os pontos de vista pelo que te felicito. Bem hajas!!! Grande abraço Tuia



João Fortes djonfortes@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Uma estória bem escrita que me trás do mais recôndito da minha memória as mais fastas recordações de uma época.Também fui da escola de Nha Laloia na rua de Morguin, mas depois abalei para Praça Nova escola de Mnina Zidora de quem guardo também boas recordações.Um abraço Zizim




Miguel M.Monteiro mucindereberabote@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Hoje foi um sturinha daquês qu'um ta gostá, quê ês ta pome ta pensá na tonte cosa que jam tinha esquecide.Fotça nh'irmon Zizin de Ti Djô Figuera.Braça Guey



Miguel M.Monteiro mucindereberabote@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Hoje foi um sturinha daquês qu'um ta gostá, quê ês ta pome ta pensá na tonte cosa que jam tinha esquecide.Fotça nh'irmon Zizin de Ti Djô Figuera.Braça Guey



Gabriela Amado Silva gabybamado@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Mais uma crónica que me fez recuar no tempo e que saudade desses anos !Aprendi soletrando o B + A = BÁ ,cantando a tabuada , levando com a menina de cinco olhos (palmatória ). Éramos felizes e havia respeito para com os nossos professores e camaradagem entre os colegas . Muitos parabéns , saúde e boa disposição para continuar . Um abraço e até domingo .



Henrique De Pina Cardoso hpcardoso@mail.telepac.pt
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Força Zizim e saúde para continuares a falar-nos de Cabo Verde...Mantenha desde algures no Mediterrâneo


jf.jr jf.jr@gmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Trancrevendo com devida vénia de outro lado o comentàrio de jmj:- "Gloria et virtutis invidia est comes" - Vejo com cepticismo e muita pena o disfarçado de "artur vieira" que é poeta e escritor da ilha da Brava. Aqui temos 3 intervenções falando crioulo de S.Vicente com erros crassos, agravados de inadaptada maxima latina, elogiando quem não é chama na festa. Estamos perante uma mistificação (reforçada em mais duas intervenções). O verdadeiro e emérito Artur Vieira, honra da Ilha Brava e de Cabo Verde inteiro, nunca cometeria tanta asneira de uma so acentada. O estilo - no seu todo - traz a identidade de pessoa sedenta de incentivos que não consegue disfarçar as suas caracteristicas repetitivas, contribuindo para o seu descrédito junto dos seus conhecidos e dos admiradores. --- Aproveito o encejo para cumprimentar efusivamente o Liberal, periodico que nos vem dando o prazer de trabalhos de alto gabarito e que se coloca em posição de destaque intra e extra muros. Bem Haja O Liberal Gloria et virtutis invidia est comes" - Vejo com cepticismo e muita pena o disfarçado de "artur vieira" que é poeta e escritor da ilha da Brava. Aqui temos 3 intervenções falando crioulo de S.Vicente com erros crassos, agravados de inadaptada maxima latina, elogiando quem não é chama na festa. Estamos perante uma mistificação (reforçada em mais duas intervenções). O verdadeiro e emérito Artur Vieira, honra da Ilha Brava e de Cabo Verde inteiro, nunca cometeria tanta asneira de uma so acentada. O estilo - no seu todo - traz a identidade de pessoa sedenta de incentivos que não consegue disfarçar as suas caracteristicas repetitivas, contribuindo para o seu descrédito junto dos seus conhecidos e dos admiradores. --- Aproveito o encejo para cumprimentar efusivamente o Liberal, periodico que nos vem dando o prazer de trabalhos de alto gabarito e que se coloca em posição de destaque intra e extra muros. Bem Haja O Liberal. Ah se o artur vieira soubesse...



Humberto Duarte humbertoduarte1@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Parabéns e obrigado pe mas esse stÓria sabe e escrite môda sô bô sabé fazê. M te gostá e m tem prindide tcheu que bôs traboi. Força e coragem pe continuá te deliciá nôs ques cuzinha sabe. Cá mesté dzéb que nô te junte. ABração



Artur Vieira tuiavieira@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Sr.jf.jr,disfarçado.Você deve ser certamente mais um daqueles"Sampadjudos frustrados" que nunca viram seus sonhos realizados e se embrenharam pela via da dependência politica do PAIGC/CV, pago para fazer campanha contra o nosso crioulo São Vicentino que só o amigo Zizim até agora teve a coragem de defender.Que haja erros ou não na escrita do crioulo todos nós sabemos que até agora não há regras estruturais ou uma standardização da nossa escrita, assim cada um pode escrever como quer ou lhe apetece porque no dia que isso acontecer o crioulo perderá toda a sua beleza da sua diversidade.Por isso erro crasso da sua parte em querer estar por aí armado em "Pingarelho" a dar lições e a tentar destruir o que tem sido muito bem feito pelo amigo Zizim.Por outro lado o Sr.deve estar enganado ou a confundir-me com outra pessoa.Pois sou Artur Vieira, mas da familia do Sr Vieirinha que era casado com a Dona Alda Madeira e vivo no Brasil há anos, sou natural de Santo Antão, amigo e condiscipulo do Zizim Figueira.Por isso deixe-se de ciumeiras e tenha um espirito mais aberto.Como devo chama-lo Marsianibus,Morpionibus ou Valdionibus. Espero assim lhe ter tirado uma espinha do pé.E bem haja o Liberal!!! Tuia




Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera marciano_moreira@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Oh Sr. Artur Vieira, so pidgin e ki ka ten standarti. Tudu lingua ten standarti(s) ki pode sta legalizadu o non. Legaliza un standarti adoptandu alfabetu, gramatika, disionariu i testus di referensia so signifika skolha un di kes standarti PRE-EZISTENTI ku eventual enrikesimentu ku spesifisidadis rejional linguistikamenti relevanti. Padronizason ka ta inventa lingua, mas ton somenti ta ben REDUZI marjen di liberdadi idioletal i/o dialetal. ----§---- Lingua kabuverdianu dja ten 500 i tal anu ta standardiza se kabesa, enbora es standardizason ta prosesa na kuadru di kada varianti. ----§---- Asin sendu, si nhu skrebe mariadu, algen ta odja ma e ka si ki ta fladu na varianti di Sanvisenti pa ezenplu. Tudu bes ki bu fla un stranjeru “e ka si ki ta fladu na nos kriolu”, bu sa ta mostra-l standarti, bu sa ta mostra-l gramatika. ----§---- Blablabla di Artur Vieira ta identifika se kabesa, e mas un prova ma nu sa ta lida ku un kanbada di katxoris di 2 pe (felismenti, dja ku 1 pe na koba), bairistas duentiu, alienadus i ajentis di kolonialismu ki sa ta djunta sima barexa na alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC). ----§---- Padronizason di un lingua e un forma di diminui difikuldadi di konprenson entri utentis di es lingua dekorenti di diferensas idioletal i/o dialetal agravadu ku anarkia ortografiku. Asin sendu, el ta kontese ku tudu lingua emansipadu, pois e un forma di valoriza es lingua, istu e, di po-l ta dezenpenha midjor se funson di veikulu di komunikason. ----§----Purtantu, so falsu patriota pode ser kontra standardizason di se lingua maternu, kontra valorizason di se propi lingua, kontra nobilitason di se alma. ----§---- N ta purgunta Artur: nhu ta defende pa kabadu ku standardizason di lingua di Tugas? ----§---- Pamodi ki Sr. Artur Vieira skrebe lisin lingua di Tugas na varianti alfasinha STANDARTI na nves di skrebe-l nalgun dialetu di purtuges i SIMA DA-L NA KABESA?!----§---- Institusionalizason di alfabetu kabuverdianu atraves di Dekretu-Lei nº 8/2009, di 16 di Marsu di 2009, foi primeru pasu nes prosesu di standardizason pois el ben permiti standardiza reprezentason di sons artikuladu elementar di nos lingua. Asin, pa tudu palavra ki Kabuverdianus ta pronunsia aprosimadamenti di mesmu manera, Kabuverdianus ta fika ta skrebe es palavras di mesmu manera a nivel di letras ki es ta uza pa reprezenta kes palavra. Isu signifika padronizason di mas di metadi di nos lingua. ----§---- PS: Kabuverdianus na skola ta nxinadu alfabetu PURTUGES pa le lingua DI TUGAS, pa skrebe lingua DI TUGAS. ----§---- Ba abri kualker gramatika purtuges, bu ta odja ma na primerus pajina di gramatika propriamenti ditu ka ta papiadu di “alfabetu” nen di alfabetu "greko-romanu", mas sin, di alfabetu PURTUGES. ----§---- Inda ka sa ta nxinadu alfabetu KABUVERDIANU masisamenti na skola. Kada lingua ten se fonolojia i, pur isu, el meste se alfabetu.



Januário M.Soares jmsoares@kpnmail.nl
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Parcialmente
Comentário:
Caro Zè, uma boa cronica, trazer as recordações dos antigos profesores da escola primaria, que muito fizeram para que muitos hoje possan saber ler escrever qualquer coisa. Aqueles nomes que deixoi a historia en (sancent). Pela critica negativa deste fulan, que nen sequer mostrou o seu nome cairà no esquecimento. Força e saude são desejos muitos, e aquelos que è o seu verdareiro amigo, contaràs sempre com apoio e amizade. FORÇA. daqui vaie aquelo abraço cordial amigo, Januário



Annie Mascarenhas ancal@netcabo.pt
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Oi Mano,Bô ta fazê gente lembrá de cosa que nô tava pensá estode esquecido!Todos nós tivemos aquela Cartilha que para nos abriu os olhos para o Mundo! Eu adorava ainda mais a minha pedrinha de conta e uma peninha e o cuspo servia muito bem quando não tinha uma esponjinha. Viva quel bole viva quel vin para mim foi um espanto pois vivia na Praia e fui fazer exame da 4ª em S.Vicente. A Praia não tinha dessas magias.Fiz exame de manhã na Escola de Igreja, Professora D. Angélica.Fui para a casa na Pontinha e à tarde apareceu um bando a correr e a gritar "Viva Quel Bole Viva Quel Vin".Lá em casa ficamos todos espantados e encantados e a minha Mãe teve de distribuir para todos o que ela tinha feito para a família.Obrigada pela Storinha.Linda! Um abraço. Annie



John Peter Ramos jpramos@live.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
POR FAVOR FECHEM ESSSE MARSIANU NO MANICÔMIO. POIS NÃO PERCEBO NADA DO QUE ELE ESCREVE.POIS ISSO PARECE JA ESTAR ESCRITO E SÓ FAZ UMA COPIA/COLADA E JA ESTÁ.COMO FUNCIONARIO ELE NÃO DEVE TER NADA QUE FAZER NO SEU GABINETE COMO MUITOS DOS CORRUPTOS ALI PARASITAS DO GOVERNO. CUSA MESTI MUDA!!!



Maria Vieira mviera@netcabo.pt
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim, tem gente que ta pintá c'pincel, bô bô ta pintá c'palavra, c'nôs palavra, e bô ta bá bescá quês lembrança que tava lá pa trás na nôs memória pa bô trazês diante d'nos ôie chei d'realisme. Já bô sabê diasá o qu'um ta pensá dês stória d'bossa, ma d'cada vez que m'ta lês nhas racordaçon ta parcê vive, moda se m'tava ta vivê quês tempe. Braça chei d'nôs grande e velha amizade Mily



Judith Wahnon juwahnon@aol.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim, tude vez que bo ta screve um storia m'ta fca admirode que bo memoria, e bo ta screve tao sabe dum manera tao clore, que parece que ma no ta na el. Tude es cosa que gente ( mim pelo menos) ja ca stava ta lembra, bo ta traze pa nos memoria, moda Fantilim, ma Fantilona, so bo pa traze de volta es lembrança ! Deus pagobe pa tude es storia tao sabe que no ta revive nos infancia cada vez que no ta les . Interpretaçon de menines ta oia figura , e les na Creole e o maximo. Nhas irmon ta conta storia des prope na escola ta le assim. Ja me tinha esquecide . Sabe de munde esse storia , moda tudo ques ote que bo ta mandame. Bijim de bo amiga desde tempe de casa de Vuzinha moda bo ta dze. Ju



Deolinda Camões ducamoes@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Caro Fig´s.Linda storia Quanta recordação.Até sinto bater no peito aquela emoção de receber a nota do alto da janela, para, logo de seguida, galgar todos os cantos de S. Vicente! É muita coisa a fervilhar na minha mente.Não me esquecerei jamais da imagem da porta franquada e toda a vizinhança à volta da nossa mãe para nos acolher no meio dos gritos de Viva Quel Bole Viva Quel Vin.Bem hajas Fig´s. Aquele abraço. Du



Manuel Delgado manuel.delgado@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Nha Broda Zizim! Só hoje ´m pude lê más ess estória que bô ta ofrecê gente tude fim-de-semana. Antes tive ta lê tude comentar de nhas ôte cumpanher de pracinha e ´m atchá que, c licença de Mily, ´m ta fazê de minha sês palavra, para dóbe nhas parabéns. Braça Manuel

V O L T A R