JON DESPI MORTE - ONES 1950/1960

Quem de nôs rua na nôs tempe e que moraba na lugar ca ta lembrá daquel rapazin por nome de Jon Despi Morte, de quexada de vidre quadrode, nem quês boxer bedje encaxador e custumode na levá de soc na ring. Mauzin moda el ca tinha dôs, quê ondê quel tchegaba el tava pô tude mnine ta feji del c’mede.


Basta se um de nôs tivesse ta cmê um cmida na rua, el ca tava pedine sê parte moda era custume entre nôs, nem done tempe de pensá dôs vez, quê el tava bem ta tchegá e tmone quel cmida fulope (full up)! E inda fecá t’arri, sem nô podê fazê nada.


Custumode t’ijdá Nhô Padre dá missa n’Igreja ma cumpanhá interre, um dia dmingue, el ma Tuim ta bai na rua de SadBandera, ês uvi quel sine d’interre ta repicá n’Igreja, pa depressa, ês dôs largá ta corrê p’oiá quem tava tchegá primer na sacristia sô pas pudia basse ganhá quel cinque ô dez toston de cumpanhamente.


Despi Morte, manhose e esperte nem rote d’Igreja, daquel escola de vida de rua, sabende cma Tuim era más rapte quel, el proveitá log de dal um “calaca” e passal pa diante naquel corrida p’Igreja. Dá nôs Tuim que fecá la pa tchon estrode c’joei ma broce tude escalabrode ta torcê de dor perdê tude sê feeling de continuá.


Assim, Jon Despi Morte pude vançá e tchegá primer na Sacristia de nôs Igreja de Nossa Senhora da Luz sem problema, c’Nhô Sulveste Sacriston já lá na porta infrontode ta esperal pa mandal infiá sê túneca pas pudia basse, primer ijdá Nhô Padre dá quel missa. Jon, custumode na sês manhenteza, bai ta passá pa Sacristia e ca pude resisti quonde el oiá quel Taça de Santa Ceia chei daquel bom vin sagrode de missa e vope dum golpada, el betal tude na corpe, inglide one time.


Nhô Sulveste, que tava custumá tem dôs garrafinha lá na Sacristia, um brónc pa vin de missa n’Igreja e ote verde pa pô sê gruguinha, de passaja rapte el notá sem descunfiá cma quel Taça de Missa inda tava baziu e sem quel vin sagrode, já derriba d’hora.


Enton tude ta corrê, el sem pensá ô fazê atençon, p’ingone el panhá um daquês garrafinha que naquel dia, p’azar de vida, era tude brónc, el ruvral log dentre daquel Taça de Santa Ceia de Missa que já tava ta ba cumeçá, longe de pensá cma em vez de vin el tinha ruvrode era tude sê grogue na el. Tude ês chatice ranjode pamode gote-manha de nôs Jon Despi Morte.


Enton Nhô Padre, qu’era nove na casa e que tê inda nem tava conchê grogue, cumeçá ta dá missa devagarim, tude dessegadim, tê que tchegá hora sagrode de levantá Taça de Santa Ceia… e dum sô golpada el ingli tude quel grogue pa ser vin.


Basta fui log um trapaiaçon, quê cma el ca tava ta esperá daquel efeite assim tão violente, dá el vrá tude brumedje por via daquel bibida forte quel ca tava nem conchê. Dá loreta sental pele, quê guela fecá prop ta quemal. Ma cma era durante missa, pamode sistência n’Igreja, el fui obrigode da lá d’olte de sê altar de guentá tude quel sofrimente caladim tê na fim.


Quonde missa cabá, Sulveste, sem pensá na Jon Despi Morte, que ca tava nada nocente na tude quel stora, quê el é que tinha bibide quel vin de missa que tava na Taça de Santa Ceia pa ladainha, pensá e fecá cunvincide cma tude quel ingone ma culpa era só de seu!


Enton Sulveste tive de pedi Nhô Padre mil perdon, despôs de ter explicode tude stora daquel ingone, tintin por tintin, sem falá mentira ô gaguejá, cosa que Nhô Padre comprendê e perdoal.


Despi Morte, escritim, mansim moda um anjim, fecá lá num cantim c’sê carinha de sonte ta fazê de nocente. Sulveste, levode de raiba de sê prop asnera, cosa que depôs de tonte one de Sacriston nunca tinha el contecide, metê mon na bolse, panhá do que bel e longá Jon Despi Morte sô cinque toston, em vez de dez toston, pa sê traboie!


Jon Despi Morte, lixode sô c’aquel cinque toston que Sulveste dal, rote d’Igreja moda el era, fecá ta goitá gente sei d’Igreja e proveitá log pa ba ta corrê pa Caixa das’Alma tentá recuperá c’sê ímen más uns toston, moda el tava custumá fazê.


Ma lá enton ê que cosa fecal inda más mariode, quê Nhô Sulveste, que também era ote escreton e tinha tmode fê cma dnher ca tava estode ta juntá na Caixa das’Alma, ranjaba um armadilha quel pô dentre de Caixa, pa caçá e bloqueá c’ímen tude quês matreial usode pa quês ladrunzim que tava estode ta bai robá denher das’Alma naquel bróc Caixa lá n’Igreja.


Um csinha desconsolode, el cambá rua de Matijim ba ter de sê amigue Tuim, que tê inda tava pra la zarode mode quel calapada quel dal, sô pa ba dzel cma, na fim das conta, el ê que fazê drete de ca bai, quê quel dia n’Igreja cosa ca tinha rindide mute.


Enton, c’aquel lume na banca (fome) cma denhirim sei de poque, el pedi Tuim pas juntaba sês dôs cinque toston pal podia fazê dez e ês basse tê lá na Dminga badia, na rua de Matijim, comprá quel pon de trança c’aquel cinque toston de mel pas partiba na mei.


E assim foi! Pon de trança deçapode na mei, frode quel broque c’dêde de Dminga, betode cada um sê csinha de mel, fui um cosa sô. Cma ês era dôs rapaz nove chei de força, sempre ta bescá traboie, Dminga proveitá log de situaçon e perguntás sês tava interessode na bá ganhá denher?


Quebradon nem djosa moda ês tava, resposta foi log cma sim e, sem pensá. Enton, Dminga log dzês p’ês fecaba ta sabê cma tinha morride, Nhô Alfrede Manoque, lá pa Bela-Vista, tiu-avô de Munquite caiador, pintor famose de Soncente, tude’s dôs natural de Bubista.


E, ela ba ta dzê Jon Despi Morte cma el sabia cma jal tinha custume daquel traboie, assim sel quizesse el tava levás pas basse ijdal lavá e pô sê cumpade Alfrede Mnoque na caxon.


Certe que pa Despi Morte ma Tuim, sês boca ca tava lá e fui log pê na mama de cadera ês ma Dminga direçon Bela-Vista pa casa de morte ba fazê sês traboi.


Log quonde ês tchegá caxon já tava pronte, dá foi sô escambrá quel corpe de morte cum bonhe morne c’pone moiode naquel selha d’ága quente que jas tinha puste lá na tchon trás daquel biombe.


Enton, tchegá hora de bá besti morte. Jon ma Tuim estendê morte, infial sê ropa quel tinha de levá ma el pa munde de verdade. Ma da lá bem sei um grave problema, que ninguém tinha pensode.Ê que Nhô Alfrede Manoque era daquês “motche esquisite prop bem armode” pa lode de sexe. Basta Tuim, p’abuse, vrá pa Jon Despi Morte, el dzel baxim n’uvide:


- Moce, Jon, m’sabê cma bô tem custume de fazê esse traboi d’ijdá besti morte diasá. Ma desse lissim nunca bô oiá, falá?!.. Jon dzel, é dvera moce mi desse li nunca m’oiá, esse home é quaz moda um burre... Eheheh.


Jon, na goze torná reagi e respondel:


- Puxa, Tuim, godzide bô ca sabia cma esse home era de Bubista, hum?!


Ma quel conversa tive de pará log quê Nha Maninha, amdjer de falecide, ma sê cmade Dminga bem ta tchegá de perte. E quês dôs cumpade c’aquel problema sempre lá sem podê resolvê, pamode quel grande “bibiche” de Nhô Alfrede Manoque quês ca tava ta podê metê dentre de calça de bestimenta de morte!


- Log um chatice, dzê Jon?!


Despôs de tonte discusson ma fala e dficuldade, Jon Despi Morte vrá pa Nha Maninha, na tude respeite e dzel cma se ela tava ceitá, el tinha na ideia um manera de fazê que podia dá resultode, quê já n’era primera vez c’aquel cosa lassim tinha el contecide. Enton, Nha Maninha, que já ca tinha más tempe quê interre era dali a um hora, ca tive ote ramede senon sende que dzê cma sim!


Log Jon Despi Morte pedi Tuim pa ijdal e, c’mute jitim, ês bai, ês bai, tê quês consigui vrá quel “corpe d’home” de Nhô Alfrede Manoque cabeça pra boxe, passal pa trás, té cunsigui infial el na sê prop bróc de polpa, pa desconse de dona de casa, coitada, que na mei de tude sê grande tristeza ma pobreza já tava tê ta pensá na ba compra ote ropa.


Ma dá lá tude cosa fecá cool, quê daquel jete lassim ês pude fetchá quel fixe-raie daquel calçona, e dá tude cosa fecá ta parcê normal na oie de gente e ês pude enton pô Nhô Alfrede Manoque na sê caxon sem mas problema.


Moda tradiçon ta mandá, certe que sei log uns grogue pa Tuim, Jon Despi Morte ma cmade Dminga pa trá poera c’Nha Maninha ta felicitá Jon pamode quel sê ideia luminosa.

Enton, na acte contínue, Nha Maninha, na conversa ma sê cmade Dminga, cumeçá ta notá cma sê maride Alfrede, lá dentre daquel caxon, tava c’ága ta esgritchil pa cara boxe moda sel tivesse ta tchorá...


Log Nha Maninha, na sês superstiçon chei de mede, vrá pa sê cmade Dminga e dzel cma quaz defunte Alfrede ca fecaba nada contente c’aquel ideia que Jon Despi Morte ma Tuim d’infial sê corpe d’home na sê parte de trás?!


Dminga, amdjer sempre resolvida, corajosa e desinrascada, log dzê cmade Maninha cmanera enton ela queria pas fazeba?! De tude manera, o que tava fete já tava fete e ca tinha más remisson de pecode, enterre padianti!!! Inda ela crescentá cma cabá cumpade Alfrede, pai daquês monzada de fidje já home ma amdjer de sês casa, já tava morte e bem morte derriba de sês noventa one, cmide catchupa bem cmide e vivide sê vida bem vivide!


Enton, foi lá mesme, deboxe de respeite e tude discriçon traz d’oreia, que cmade Maninha de Nhô Alfrede Manoque natural de Bubista, levode dum poc de coraja pa quês palavra de sê cmade, bem confessal segrede dum data d’one de vivença ma quel home sê maride. E ta repeti quês prop palavra de sê cmade Dminga, ela dzê:


- Sim! Noventa one de vida vivide e bem vivide sem merrinha! Nem bocê ca ta imaginá e bocê ê que tem razon, nha cmade, quê devera ca tinha ote manera de faze c’aquel cosona de seu, senon sende assim. Basta durante tude ês one que nô vivê djunte, el infiome el bem infiode na nha parte de trás e sempre escontra nha vontade!


Dminga, busada, dá um gritim sofocode! E, Nha Maninha continuá:


- Agora olal pra lá naquel caxon bodsê ta tchorá e, mi m’ta dzê cma sel ti ta tchorá ê c’razon, quê quaz sô agora que jal pude sôssim tmá fê de tonte sofrimente quel fazeme sofré tude ês one de vida que nô vive djunte!... DESGRAÇOOODE!!!


Basta Dminga, mufina sem rival na tchon de Soncente, torná dá más um grite quonde el cabá d’uvi quel conversa de cmade Maninha sobre cumpade Alfrede Manoque. Ela pedi quel pove colcença, quê jal ca tava ta podê guentá más e tive de sei pa rua pal bá arri, arri, torná arri té sinti dor de barriga.


Gente tava bem ta perguntal era o quê?! Ma ela sempre muque, quê segrede dum n’é de dôs ma três, ma sempre t’arri de vez inquante, quonde quel conversa tava bel na mimória.


Quonde cosa calmá, ela tchemá quês moce pas basse almoçá um fejon pedra que fursula quel tinha fete pa ês, na sê casa na Bela Vista, lá perte de casa de morte, em paga de sês bom traboie.


Interre foi da tarde e tude cosa corrê dritim, só que Dminga, sem podê controlá, fecá sempre c’aquel rizim na conte de boca tude vez c’aquel segrede del ma sê cmade Maninha tava passal pa cabeça!


Uns dia despôs d’interre, foi más um grande tristeza pa Dminga e mute gente na lugar, tonte de rua de Matijim cma Bela Vista ma Fonte Francês etc,. que já era custumode naquês picardia de Jon Despi Morte ma Tuim, quê ês dôs amigue, tinha dode nome pa San Tmê cum controte pa três one (1956/1959).


E assim foi. Ês vivê quês três one lá na roça ta safá rascada sempre d’amdjor manera quês pude.


Jon Despi Morte tava ijgá futebol na Sporting de Roça pa competiçon contra equipa de Babute, ondê que tinha ijgador famose moda Lela de Panane, Anton de Páscua, Daniel Giminha, etc. Tinha também quel grande equipa tchemode Colónia Ciliana, que Pidrim Macomaque, antigue ijgador de Derby, era dirigente.


Tempe ba ta passá tê que controte de San Tmê fetchode na 1959. Jon ma Tuim bem embora, na mei daquel trupida de gente, sês camin pa sês terra Soncente, inda más quebrode do que quonde ês bode.


Log um chatice, quê vida na Soncente ca tava também grandes cosa. Jon passá t’ijgá na sigunda de Derby e sempre ta trá um dia de traboi quonde el tava parcê na estiva, na cumpainha de sê amigue d’infância e vezim Tuim.


Enton el torná metê naquel vida que jal tinha custume dantes, de tratá gente morte pa pôs na caxon, etc, Dzide tê cma el tava custumá herdá tcheu cosa daquês morte na hora de pôs na caxon ma na cova.


Assim, pove sempre tchemal Jon Despi Morte e el nunca tava chatiá. El, sê boca ca tava lá, quê tive tcheu daquês morte quel pô na caxon quaz tude nú ô enton otes el tava dexá interrás e de note, na Sumeter 1888, el tava ba fazê sê traboi de recuperaçon de cosa de valor, que depôs el tava bem vendê na Placa perte de Fontinha, pal podia tem que cmê, pa el ma sês fidje.


Um vez el panhaba um suste quê, despôs dês ter interrode Nhô Jon Pritim Pxá Pa Linha, el cambá Sumeter já de nutinha pa ba despil. E, na hora quel abri quel caxon, quel mon d’anel de Nhô Jon Pritim, que dzide era bruxe, sebi pa riba dá fecá fora de cova, dá Jon espantá, ma Jon, sempre destimide , continuá sê traboi moda se nada fosse.


Ma mede bem tmal conta de corpe, quê Nhanha amdjer de Nhô Jon Pritim Puxá pa Linha bem sube de tude quês cosa quel tinha despide sê maride na cova e vindide quel anel. Enton, ela ca bai pa pliça, quê n’era custume, ma ela decidí ba dá Jon nas’Alma lá na Igreja de Nossa Senhora da Luz! Brrrrr…


E, lá cma Jon Despi Morte bem sinti prop mede, quê cumeçá ta sail uns caroce na corpe sempre de note na hora de detá, enton, na dia siguinte log cidim jal tava na porta de casa Nhanha amdjer de Nhô Jon Pritim Puxá pa Linha, c’tude quês cosa quel tinha panhode na cova.


El intregás tude e bá ta pedi Nhanha d’ismola pa ca dass el nas’Alma. E assim, Nhanha log desfazel quel novena, dá tude quês caroce desaparcel de corpe! E esse cosa bem sirvil de liçon, quê el pude cuntinuá que sê traboi de dá gente morte bonhe, pôs na caxon e encomendás pa MUNDE DE VERDADE sem mexês, más nunca más,na do qu’era de seus.


ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)


Consulte as noticias em arquivo desta secção.

Comentários dos nossos leitores
Terencio Lopes terenciolopes@yahoo.com.au
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Ahahahah,Rapaz já bô ê prop sabe! Hoje já nô arri pafronta qu'esse storia de Jon despi morte.'M ta lembrá bem del ma Tuim quês dôs inseparável buzode pirracente de rua de Matijim ma nôs Dminga badia ondê que n'intervale de escola nô tava bai cmê nôs pon de trança c'mel.Ah Zizim, bons tempes que já ca ta bem más, ma ê bom de bô pôs na storia pas fcá pa sempre pa quês que tita bem pa trás.Esse storia de nhô Alfrede Manoque come um matchona correba tude Soncente quel vez e 'm ta lembrá dritim.Sturinha ta mute bem contode.Ubrigada pa isdone passá mas um fim de semana alegre ma chei de SODADE. Braçona de malta Terencio


Luisa Brito luisabrito@hotmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zizim, As tuas estórias são o maximo! Leio-as e releio-as nuns fins de semana nem sei quantas vezes e se ê para matar saudades ou fazer reviver a chama da saudade da nossa terrinha São Vicente. Gostei muito dessa pois para além de estar como sempre muito bem escrita o conteudo hilarante me fez rir até ter dores de barriga só de imaginar as cenas todas.Bravo! Um abraço Lu


Larry de Pina LPINA1@tampabay.rr.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Caro Djô Figuera, Há muito que não me tinha manifestado mas continuo leitor assiduo das tuas magnificas cronicas. Moce jam arri prop c'goste sô de lembrá. Forte abraço Lili


Afonso Estrela afonsestrela@aol.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Ti Figas, Esse li ta prop Top dos Top's. Basta inda m ta tude t'arri. Ubrigada e grande abraço Afonso


Adriano Miranda Lima amlima43@gmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Esta é daquelas para nos rirmos sem freio, Zizim. E de cada vez que releio esta esta stória é sempre um grande divertimento.


Joaquim ALMEIDA soalmeida@free.fr
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Oh.. ( irmao das nossas comunidades ) Hoje tive duas leituras relacionado com os factos da nossa tradiçao ,seus personagens que ficarao na historia da tradiçao cabo-verdiana ; a primeira é a tua estoria de " Jon Despi Morte " sinceramente uma maravilha e a outra é ; " O ( grau de escada ) de Nhô Djunga Fetògrafo " , um dos grandes homens em defesa do povo ,dos pobres e sobretudo das criânças , pràticamente abandonadas ,; coisa que sempre houve em Cabo Verde ,particularmente em Sao Vicente . Aquele abraço de cabo-verdianidade ,D' Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..


Euclides Oliveira quidaoliveira@live.nl
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Esta e sem duvida a melhor entre as melhores das tuas estorias.Pois traduzem aquele grande espirito humoristico do mnine de Soncente buzode mas nao malcriode dum vez.Que venham mais dessas amigo Zizim escritos desta boa maneira na nossa lingua caboverdiana que alguns ignorantes querem estragar por malvadez mas nunca vao conseguir porque nao vamos deixar.Estamos juntos nas Ilhas do norte mais do que nunca contra o racismo santacatarinense do JNM e Maqnuel Veiga.Bem hajas.Um abraco Quida


Djê Guebara nhela80@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Pergunto e porque esta edicion dà complicação para ingresar.


Djê Guebara nhela80@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
porque serà.


José f Lopes jflopes@ua.pt
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Mais uma história desta vez para alegrar os espíritos. Desta vez o djon despi morte. Fez-me lembrar o saudoso sacristão todo beato Silvestre, o senhor padre Fernando e as muito beatas cooperadoras da Igreja. Enfim é mais uma história que nos pode contar, a mundividência da Igreja de Nª Sª da Luz e talvez dos Salesianos outra grande instituição em Cabo Verde, que muito ajudou o jovens, e donde fui aluno.


Daniel Sousa danysousa@gmail.com
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Estória maravilhosamente bem escrita e elaborada.Tipicamente daquele São Vicente do nosso tempo. Esta é a verdadeira escrita de caracteres greco-romanos que todas as Ilhas de Cabo Verde poderão adoptar após um consenso e estudo prévio.O Zizim e tantos outros nos veem mostrando a via se queremos que a nossa lingua progresse e saia da letargia que a conduziu o alupekador Manuel Veiga.Bravo Zizim! Gostei imenso e fartei-me de rir e o rir só faz bem e evita a gente de envelhecer. Obrigado. Grande abraço Dany


Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera marciano_moreira@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Oh Daniel Sousa, dexa di papia asnera! Ben da-m referensia di obra sientifiku ki ta deskreve karateristikas di "skrita ku karateris greko-romanu"! Ka ta ezisti "alfabetu greko-romanu". Bu sa ta inventa es nomi eufemistikamenti trokadu vergonha di fla ma bu kre inpo-nu alfabetu PURTUGES. Alfabetu PURTUGES, un alfabetu sen lojika undi un letra ten mas ki un son so pa trapadja kriansas kabesa dibaldi. Alfabetu purtuges, un alfabetu sen lojika undi un mesmu son ta skrebedu ku letra diferenti konsoanti palavras ezijindu asin di kriansas un enormi sakrifisiu inutil di memorizason. Enfin, alfabetu purtuges, un alfabetu sen lojika ki ta obriga kriansas dikora ortografias di milharis di palavra PA SISI. ----§---- Manba bo e mazokista!? ----§---- Pamodi nhos ka parse na “Semana di Lingua Maternu” ki okore di 6 ti 9 di Marsu pasadu pa nhos ba demonstra peranti sientistas di lingua kabuverdianu, studiozus di lingua kabuverdianu i kes ki ta skrebe lingua kabuverdianu sugundu regras sientifiku ma nhos “alfabetu greko-romanu” inventadu ta kauza kriansas menus sofrimentu ki alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC)!? Pamodi ki nhos sabe so manda boka li nes buraku sob anonimatu!? ----§---- Provavelmenti nhos ta sta so na sgotu sukundidu pabia nhos ten konsensia ma nhos sa ta fla so asnera...


manuel delgado manuel.delgado@sapo.pt
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Meu caro Zezim! Já te disse várias vezes e repito! Tu és um grande escritor e contista cabo-verdiano do nível de outros grandes nomes da nossa Terra desde Roque Gonçalves, passando por Baltazar Lopes, António Nunes, etc. As tuas histórias são vivas e podiam ser apresentadas na forma de teatro. Será que haverá alguém, um dia, para dar seguimento a isso? Quero dizer coisas e mais coisas de reconhecimento para o teu talento, mas acho que o melhor é simplesmente dizer: Fenomenal!


Djê Guebara nhela80@yahoo.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Queria saber de donde saiu este analfabruto que quere imponer que os caverdeanos fala a lingua selvagen que è a lingua barata dos incevilizados dos (Vadios) da praia que por tìtulo se chama Badios.Vergonha deveria de sentir esso tal Niculau porque o dialecto da Praia è o dialecto mais complicado em definiçäo da palavra escrita e pronunciada, tais como Pupa,Kabuberdeano, Côcô,xinti,Kriança-vergonha deveria de sentir e não corregir a ignorancia.


Januário Matias Soares jmsoares@kpnmail.nl
Gostei: Muito Concordo: Plenamente
Comentário:
Zé maies uma das boas,o passado deste despi morte'deu muito que falar, era lembrado para todos cantos da ilha, creio que era conhecido no Mindelo inteiro, por toda gente, caro Ze parabens, por esta bonita storia. Um abraço amigo


Daniel Sousa danysousa@gmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Sr Marsianu Sachu Burro sem bergonha!!! Quem que tchmobe nesse conbersa estupido?!Ba tra pul na cinza ta fecobe amdjor.O que ta fazebe fala ê sô ciumes e nada más, quê bô ê daquês criol que sabê sô critica ma tê hoje nô ca oiobe presenta nem li nem nium lugar nada de positivo ô concrete sobre nôs linga caboverdiana, Enquanto que Zizim sim! El ao menes ta cuntinuá ta trabaial e 89% de gente Cabo Verde tonte na diaspora cma na terra sta di acordo com Zizim e tchau.Ja bsote psu, quê nem c'tude dnher de contribuinte que bsote tem gastode c'bsote asnera se ta tchgá pa convê pove inteligente de Cabo Verde que um punhado cima bsote tita tem neo-colonizine.Ma nem flaça nô ta fica pê na tchon e nô ta prossigui nôs luta sem bsote que tem mania de sabichon.


Idania da Graça idaniagraça@yahoo.com.br
Gostei: Muito Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Caro Zizim, Adorei este conto e tanto me fizeste rir como ha muito não ri. Esse conto traduz bem a nossa vida dos bons tempos com suas pirraças amraguras e alegrias daquele Soncente sabim.O que aprecio tambe me ti é que nunca deste trela a essa corja de ignorantes que querem por cviva força dara cabo c da nossa escrita.Pois a tua a do Frusoni;Pedro Cardoso Eugenio tavares ali estão para servir de ensaio.Quanto a este ignorantinho deste tal Marsianau que nem conheço...Enquanto o cães ladram a caravana passa.Auele abraço Idania


bo Creolinha Ines@hotmail.com
Gostei: Sem Opiniao ... Concordo: Sem Opiniao ...
Comentário:
Ola voz di atlantiku, sempri firmi ta bu sta ta dà bu kontributu pa terra, "Obrigado Zim" N'passa sò pam dexau kel braça bem forti y desejau boas mehoras ku um rapidu rikuperaçon.

------------------

JON DESPI MORTE (ONES 1950/1960)

Quem de nha rua ma de nha tempe ca ta lembrá daquel rapazim por nome de Jon Despi Morte, de quexada de vidre quadrode, moda um boxer bedje custumode ta levá de soque na ring? Mauzim de munde, el tava pô tude mnine, sês culiguinha, ta feji que mede del ondê quel tchegaba.

Basta se um de nôs tivesse ta cmê um cmida na rua, el ca tava pedibe sê parte moda era de custume entre nôs, nem done tempe de pensá dôs vez, quê el tava bem ta tchegá e tmone quel cmida flope(full up)! E fecá t'arri!!!

Custumode ta ijdá Nhô Padre dá missa ma cumpanhá interre, um dia dmingue, el ma Tuiim ta bai na rua de SanBandera, ês uvi quel sine n'Igreja, ês tude largá ta corrê pa oiá quem tava tchegá primer na sacristia pa pudesse ba ganhá quel cinque ô dez toston de cumpanhamente…

Manhose e esperte, daquel escola de vida de rua moda el era, cma Tuiim era más rapte e proveitá de passal pa diante naquel corrida pa Igreja, el passal log um calaca pa camin, dá nôs Tuiim estrá lá pa tchon que joei ma broce tude escalabrode ta torcê de dor, fecá pa trás e perdê tude feeling de continuá.

Assim, nôs Jon Despi Morte pude vançá e tchegá primer na Sacristia de nôs Igreja de Nossa Senhora da Luz sem problema, que Nhô Sulveste Sacriston já lá na porta infrontode ta esperal pa mandal infiá sê túneca pa's pudia basse ijdá Nhô Padre dá quel missa. Jon, custumode na sês manhenteza, bai ta passá pa Sacristia e ca pude resisti quonde el oiá quel Taça de Santa Ceia chei daquel bom vin sagrode de missa e voope, el ptal na corpe, inglide one time!

Nhô Sulveste, que tava custumá tem dôs garrafinha lá na Sacristia, um bronque pa vin de missa na Igreja e um verde pa pô sê gruguinha, naquel passaja rapte el notá sem descunfiá cma quel Taça de Missa inda tava baziu, sem vin e derriba d'hora e anton, tude ta corrê sem pensá ô fazê atençon, el panhá pa ingone um daquês garrafinha que naquel dia mez, p'azar de vida, era tude bronque, el ruvral tude na Taça daquel missa já ta bá começá, sem pensá cma era grogue em vez de vin! Tude ês cosa pa mode gote-manha de nôs Jon Despi Morte!...

Anton Nhô Padre, qu'era nove na casa e que té inda nem tava conchê grogue, começá ta dá missa devagarim, tude dessegadim, té que tchegá hora sagrode de levantá quel Taça de Santa Ceia… e dum só golpada el ingli quel grogue pa ser vin!!! Basta foi log um trapaiaçon, quê cma el ca tava ta esperá aquel efeite assim tão violente, dá el vrá tude brumedje por via daquel bibida forte!

Loreta sental pele, quê guela fecá prop ta quemal! Ma cma era durante missa, pa mode sistência na Igreja, el foi obrigode de guentá tude quel sofrimente lá caladim té na fim!

Quonde missa cabá, Sulveste, sem pensá na Jon Despi Morte, que ca tava nada nocente na tude quel stora, quê el é que tinha bibide quel vin de missa que tava na Taça pa ladainha, pensá e fecá cunvincide cma tude quel ingone ma culpa era de seu!

Anton Sulveste tive de pedi Nhô Padre desculpa, despôs de ter explicode tude stora daquel ingone, tintin por tintin, sem falá mentira ô gaguejá, cosa que Nhô Padre comprendê e perdoá. Despi Morte, secritim, mansim moda um anjim, fecá lá num cantim que sê carinha de sonte ta fazê de nocente.

Sulveste, levode de raiba de sê prop asnera, cosa que despôs de tonte one de Sacriston nunca tinha el contecide, metê mon na bolse, panhá do que bem e longá Jon Despi Morte só cinque toston, em vez de dez, pa sê traboie!

Despi Morte, lixode só c'aquel cinque toston que Sulveste dal, rote d'Igreja moda el era, fecá ta goitá pove sei d'Igreja e proveitá log pa ba ta corrê pa Caxa das'Alma tentá recuperá que sê ímen más uns toston, moda el tava custumá fazê!

Ma lá anton é quel fecá inda mas lixode, quê Nhô Sulveste, que também era esperton e tinha descoberte quel gote-manha, ranjaba um armadilha quel pô dentre daquel Caxa, que tava caçá e bloqueá ímen de tude ladronzim que tava tentá ba robá denher das'Alma naquel broque de Caxa na Igreja!

Um czinha desconsolode, el cambá rua de Matijim ba ter de sê amigue Tuiim, que té inda tava pra la zarode mode quel calaca, só pa ba dzel cma, na fim das conta, el é que fazê bem de ca bai, quê quel dia na Igreja cosa ca tinha rindide mute…

Anton, c'aquel lume na banca (fome) cma denhirim sei de poque, el pedi Tuiim pa's juntá sês dôs cinque toston pa podia fazê dez e ês basse té lá na Dminga badia comprá quel pon de trança que cinque toston de mel pas partiba na mel.

Assim foi. Pon de trança deçapode em dôs, frode quel broque na mei que dede de Dminga, ptode cada um sê czinha de mel, fui um cosa sô! Cma ês era dôs rapaz nove chei de força, sempre ta bescá traboie, Dminga proveitá log de situaçon e perguntás sês tava interessode na ganhá denher. Quebradon moda ês tava, resposta foi log cma sim, sem pensá!

Anton, Dminga dzês p'ês fecaba ta sabê cma tinha morride, lá pa Bela Vista, Nhô Alfrede Manoque, tiu-avô de Munquite caiador, pintor famose de Soncente, tude's dôs natural de Bubista… E ela ba ta dzê Jon cma ela sabia cma jal tinha custume daquel traboie, ma smeme assim sel quizesse el tava levás pas basse ijdal lavá e pô sê cumpade Alfrede na caxon. Pa Jon Despi Morte ma Tuiim, sês boca ca tava lá e ês cambá ma Dminga pa Bela-Vista pa quel casa de morte ba fazê sês traboi.

Anton, log quês tchegá caxon já tava pronte, dá foi sô escambrá morte cum bonhe morne de pone moiode naquel selha d'ága quente quês tinha puste lá na tchon trás daquel biombe. Tchegá hora de bá besti morte! Jon ma Tuiim estendê morte, infial sê ropa quel tinha de levá ma el pa munde de verdade…

Ma da lá bem sei um grave problema, que ninguém tinha pensode: é que Nhô Alfrede Manoque era daquês motche bem armode pa lode de sê sexe! Basta Tuiim, p'abuse, vrá baxim pa Jon, el dzel:

- Moce, Jon, bô sabê cma um tem custume de fazê esse traboi d'ijdá diasá! Ma mi desse lissim nunca um oiá! Esse home é quaz moda um burre!...

Jon reagi log na goze e respondel:

- Puxa, Tuiim, bô c'oiá cma esse home ê de Bubista, hum?!

Ma quel conversa tive de pará log quê Nha Maninha, amdjer de falecide, ma sê cmade Dminga bem ta tchegá… E quês dôs cumpade c'aquel problema sempre lá sem ser resolvide, pa mode quel grande "bibiche" de Nhô Alfrede Manoque quês ca tava ta podê metê dente de calça!

- Log um chatice, dzê Jon!

Despôs de tonte descusson ma fala, Jon Despi Morte vrá pa Nha Maninha, el ba dzel na respeite cma se ela tava ceitá, el tinha um manera de fazê que tava custumá resolvê quês problema lassim, quê pa el já n'era primera vêz!

Anton, Nha Maninha, que já ca tinha más tempe quê interre era dali a um hora, ca tive ote ramede senon sende de dzê cma sim!... Log Despi Morte pedi Tuiim pa isdal e, que mute jitim, ês bai, ês bai, té quês consigui vrá quel "bibichon" de Nhô Alfrede Manoque cabeça pra boxe, té infial el na sê prop broque de polpa!

Pa desconse de dona de casa, coitada, que na mei de tude sê quebra ma tristeza grande já tava té ta pensá na ba compra ote ropa. Ma dá cosa fecá cool, quê daquel jete lassim ês pude fetchá quel fixe-raie daquel calçona, assim tude cosa fecá ta parcê normal na oie de gente e ês pode pô Nhô Alfrede Manoque na caxon.

Moda tradiçon, sei log uns grogue pa trá poera pa Tuiim, Jon ma cmade Dminga, que Nha Maninha ta felicitá Jon Despi Morte pa quel ideia luminosa! Anton, log na acte contínuo, Nha Maninha, na conversa ma sê cmade Dminga, cumeçá ta notá cma sê maride Alfrede, lá dente daquel caxon, tava que ága ta esgritchil pa cara boxe moda sel tivesse ta tchorá…

Lá Nha Maninha, cum czinha de mede, vrá pa cmade Dminga e dzel cma quaz defunte Alfrede ca fecaba nada contente c'aquel ideia que Jon Despi Morte ma Tuiim tive d'infial quel cosa de seu na sê polpa?! Dminga, sempre corajosa e desinrascada, log dzê cmade Maninha que manera anton qu'ela queria pa quês moce fazeba?!

De tude manera, o que tava fete já tava fete e ca tinha más remisson de pecode. Inda ela crescentá cma cabá cumpade Alfrede, pai daquês monzada de fidje já home ma amdjer de sês casa, já tava morte e bem morte derriba de sês noventa one, vivide e bem vivide!

Anton, foi lá mez, deboxe de respeite e tude discriçon traz d'oreia, que cmade Maninha de Nhô Alfrede Manoque, levode dum poque de raiba pa quês palavra de sê cmade, bem confessal segrede dum data d'one de vivença ma quel home sê maride! E ta repeti quês prop palavra de sê cmade Dminga, ela dzê:

- Sim! Noventa one de vida vivide e bem vivide sem merrinha! Nem bocê ca ta imaginá e bocê ê que tem razon, nha cmade, quê devra ca tinha ote manera de faze c'aquel cosona de seu! Basta que durante tude ês one que nô vivê djunte, el meteme el bem mitide na nha broque de cú sempre escontra nha vontade!

Dminga dá um gritim sofocode! Ma nha Maninha continuá:

- Agora olal pra lá naquel caxon bodsê ta tchorá… E um ta dzê cma sel tita tchorá é que razon, quê el tita tmá fê de tonte sofrimente quel fazeme passá tude um vida que nô vive djunte! DESGRAÇOOODE!!!

Basta Dminga, mufina que ca tinha dôs na tchon de Soncent, torná dá más um grite quonde el cabá d'uvi quel conversa de cmade Maninha de cumpade Alfrede Manoque!... Ela pedi quel pove colcença, quê jal ca tava ta podê guentá más, ela sei pa rua pa bá arri, arri, torná arri té sinti dor na barriga !

Gente tava ta perguntal era o quê?! Ma ela sempre muque! Quê segrede dum n'é de dôs ma três, ma sempre t'arri de vez inquante, quonde quel conversa tava bel na mimória! Quonde cosa calmá, ela tchemá quês moce pas basse almoçá um fejon pedra que fursula quel tinha fete pa ês, lá na sê casa na Bela Vista, também perte de casa de morte, pa pagás sês bom traboie.

nterre foi da tarde e tude cosa corrê dritim, só que Dminga, sem podê controlá, fecá sempre c'aquel rizim na conte de boca tude vez c'aquel stora daquel conversa del ma sê cmade Maninha tava passal pa cabeça! Ma sempre na respeite, sem dzê ninguém nada…

Uns dia despôs foi más um tristeza grande pa Dminga e mute gente de zona, tonte de rua de Matijim cma Bela Vista ma Fonte Francês, que já era custumode que sês picardia!

Quê nôs Tuiim ma Jon Despi Morte tinha dode nome e ês tava ta cambá pa SanTmê cum controte pa três one (1956/1959). E assim foi! Ês vivê quês três one na roça ta safá rascada sempre d'amdjor manera quês pude.

Jon Despi Morte tava ijgá futebol na Sporting de Roça pa competiçon contra equipa de Babute, ondê que tava ijgador famose moda Lela de Panane, Anton de Páscua, Daniel Giminha, etc… Tinha também quel grande equipa tchemode Colónia Ciliana, que Pidrim Macomaque, antigue ijgador de Derby, era dirigente.

Tempe ba ta passá té que controte fetchá na 1959. Jon ma Tuiim bem, na mei daquel trupida de gente, sês camin pa Soncente, sês terra inda más quebrode do que quonde ês tinha bode! Log um chatice, quê vida na Soncente ca tava também grandes cosa! Jon passá ta isgá na sigunda de Derby e sempre ta trá um dia de traboi quonde el tava parcê, na cumpainha de sê amigue d'infância e vezim Tuiim.

Anton el torná metê naquel vida que jal tinha custume dantes, de tratá gente morte, pôs na caxon, etc... Dzide té cma el tava custumá herdá tcheu cosa daquês morte na hora de pôs na caxon ma na cova… Assim, pove sempre tchemal Jon Despi Morte e el nunca tava chatiá.

El, sê boca ca tava lá, quê tive tcheu daquês morte quel pô na caxon quaz tude nú ô anton otes el tava dexá interrás e de note, na Sumeter 1888, el tava ba fazê sê traboi de recuperaçon de cosa de valor, que despôs el tava ba vendê pal podia tem que cmê, pa el ma sês fidje!

Dzide cma um vez el panhá um suste quê, despôs dês ter interrode Nhô Jon Pritim Pxá Pa Linha, el cambá Sumeter já de nutinha pa ba despil. E, na hora quel abri quel caxon, quel mon d'anel de Nhô Jon Pritim, que dzide era bruxe, sebi pa riba dá fecá fora de cova, dá Jon espantá! Ma Jon, sempre destimide, continuá sê traboi moda se nada fosse!

Ma mede bem tmal conta de corpe, quê Nhanha de Nhô Jon Pritim Pxá pa Linha bem sube de tude quês cosa quel tinha despide sê maride na cova e vindide… Anton, ela ca bai pa pliça, quê n'era custume, ma ela decidí ba dá Jon nas'ALMA lá na Igreja de Nossa Senhora da Luz! Brrrrr…

Lá Jon sinti prop mede, quê de note cumeçá ta sail uns caroce na corpe. Assim, na dia siguinte log cidim jal tava na porta de Nhanha c'aquês cosa! El intregás tude e bá ta pedi Nhanha pa ca dal nas'ALMAS!

E assim Nhanha desfazel quel novena, dá quês caroce desaparcel de corpe! E esse cosa bem sirvil de liçon, quê el pude cuntinuá que sê traboi de dá gente morte bonhe, pôs na caxon e encomendás pa MUNDE DE VERDADE sem mexês, más nunca más, na do qu'era de seus.

Zizim Figuera (José Figueira,junior)

V o l t a r


Comentário:

Por muita insistência do Zizim - pois tenho o meu trabalho, a minha família, o meu desporto, o meu grupo de fotologuistas e muitas outras ocupações - ando a rever as suas estórias.

E acedi pois considerei que as estórias escritas ajudarão a preservar a vivência do nosso povo, numa evolução deveras histórica, rica e sui generis, pelo que valia a pena melhorar a sua redacção, já que o Zizim escreve com base no léxico francês, por viver há anos em França.

Daí resulta um crioulo difícil e adulterado, razão por que eu não lia as suas estórias anteriormente. O crioulo deriva do português, numa mescla viva com a sua raiz africana e com as influências de outras línguas, como o inglês e o francês, já para não falar noutras.

Não tenho a pretensão de ser linguista, mas a minha profissão foi principalmente ligada à escrita - e não só em português - e os conselhos que dou ao Zizim é com a frontalidade de que o avisei desde quando ele me abordou por mail, ao identificar-me com o seu "saudoso explicador Pirique".

Explico-lhe porque não se escreve "diazá" mas sim "diasá" (provém de "dias há" / dias(h)á) e o S tem valor de Z no meio de duas vogais; que não é "peche" e sim "pexe" (a origem é "peixe" / "pe(i)xe"); que não é "gzinha" mas "czinha" (provém de coisinha, no sentido de alguma coisinha/ algum bocadinho); que as palavras não podem ter dois acentos, como em francês; etc, etc, etc.

Quando o aconselho a moderar a utilização das palavras quando escreve, é porque o contador de estórias tem o seu público em frente e pode usar as palavras consoante a auscultação inteligente que vai fazendo da sensibilidade dos ouvintes.

Mas, como contista, há que considerar que a escrita não se dirige apenas a adultos e há que assumir sempre o papel de educador. Por isso, uma coisa é escrever "broque de polpa" e outra é usar palavras mais ordinárias, que podem ferir a susceptibilidade de alguns.

Eu conheço a obra completa de Jorge Amado, que possuo quase toda para rele-la sempre que me apeteça, e sei que ele foi um mestre em contar as estórias do seu povo com tal vivacidade que parecemos fazer parte delas enquanto as lemos, mas usando palavras brejeiras e não ordinárias.

Por último, há que usar os ditados no seu contexto. Há tempos discutia com um superior hierárquico que me dizia que "Tudo vale a pena", ao que lhe contestei que "Nem tudo vale a pena", pois Fernando Pessoa não justificava ilegitimidades ou irregularidades com essa frase célebre.

É o mesmo com o velho ditado "Mulher séria não tem ouvidos". Como diz a "zézinha" Lili Caneças, "uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa". Assumo-me como mulher livre e independente do seu tempo, mas separo as águas entre um contador de estórias e um contista. Como leram, não corrigi as palavras que considerei mais ordinárias".

Dei o meu conselho ao Zizim e ele optou por não me dar ouvidos. Ele é que é o contista, ele é quem decide. Além de que posso ter percebido mal o objectivo do seu legado das estórias ao povo cabo-verdiano...

Cumpre ao Zizim ter a última palavra!

Ernestina Santos
tina.ssantos@gmail.com

V o l t a r